PADRE MANOEL APARECIDO DA SILVA É ELEITO ADMINISTRADOR DIOCESANO DE BARREIRAS

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
O Colégio de Consultores da Diocese de Barreiras elegeu o padre Manoel Aparecido da Silva como administrador diocesano no dia 18 de dezembro às 09h, em reunião realizada na cúria Diocesana. O sacerdote que pertence ao clero diocesano assume o governo da Diocese até a chegada do novo bispo da Diocese de Barreiras. Uma Celebração Eucarística na Catedral de São João Batista, no mesmo dia as 12h, o secretário do colégio dos consultores, Pe Jocleilson Sebastião da Silva apresentou oficialmente o padre Manoel Aparecido como administrador diocesano aos fiéis leigos, religiosas e padres presentes nesta celebração.

Entenda as funções do Administrador Diocesano – Na Igreja Católica, um Administrador Apostólico ou Administrador Diocesano é um presbítero ou um bispo, que administra uma diocese que se encontra em situação de sede vacante, ou seja: sem um bispo ou arcebispo residente. Quando o administrador é designado pelo Papa, é chamado de apostólico, quando diferentemente é designado pelos padres da sede (que é o caso de Barreiras, é chamado de diocesano.

  • As faculdades do Administrador Diocesano e, certamente, também do Administrador Apostólico, Sé Vacante:
  1. Pode confirmar ou instituir os presbíteros que tenham sido legitimamente eleitos ou apresentados para uma paróquia (cf. cân. 525, 1o);
  2. Pode nomear párocos, somente após um ano de Sé vacante ou impedida (cf. cân. 525, 2o);
  3. Pode administrar a Crisma, mesmo sendo presbítero, podendo conceder a outro presbítero a faculdade de administrá-la (cf. cân 882, 883, § 1 e 884, § 2);
  4. Pode remover, por justa causa, os vigários paroquiais, salvaguardando, porém, quanto prescreve o direito no caso específico em que se trate de religiosos (cf. cân. 552 e 682, § 2);
  5. É membro da Conferência Episcopal, com voto deliberativo, com exceção das declarações doutrinais, se não for Bispo (cf. Diretório para o Ministério pastoral dos Bispos n. 240 e 31);
  6. Pode, em caso de verdadeira necessidade, pessoalmente ter acesso ao Arquivo secreto da cúria (cf. cân. 490, § 2);
  7. Pode, com o consentimento do Colégio dos Consultores, conceder as cartas dimissórias para a ordenação dos diáconos e dos presbíteros, se estas não foram negadas pelo Bispo Diocesano (cf. cân. 1018, § 1, 2oe § 2). O Administrador Apostólico, Sé vacante, para isso, não precisa do consentimento do Colégio dos Consultores;
  8. Pode por grave causa, mesmo que não tenha cessado o quinquênio, remover o Ecônomo, ouvindo o Colégio dos Consultores e o Conselho Econômico (cf. cân. 494, § 2).
  • Os limites do poder do Administrador Diocesano e, certamente, também do Administrador Apostólico, Sé Vacante:
  • Não pode confiar paróquias a um Instituto religioso ou a uma Sociedade de vida apostólica (cf. cân. 520, § 1);
  • Não pode conceder a excardinação e a incardicação, nem mesmo conceder a licença a um clérigo para se transferir a outra Igreja particular, a não ser depois de um ano de vacância da Sé Episcopal e com o consentimento do Colégio dos Consultores (cf. cân. 272);
  • Não tem competência para erigir Associações públicas de fiéis (cf. cân. 312, § 1, 3o);
  • Não pode remover o Vigário Judicial e os Vigários Judiciais Adjuntos (cf. cân. 1420, § 5);
  • Não pode convocar o Sínodo diocesano (cf. cân. 462, § 1);
  • Não pode remover do ofício o Chanceler ou outros notários, a não ser com o consentimento do Colégio dos Consultores (cf. cân. 485);
  • Não pode conferir canonicatos no Cabido da Catedral nem no Cabido Colegial (cf. cân. 509, § 1).

Carta do Administrador Diocesano ao povo de Deus

Iniciarei esta nova missão com o desejo de contar com todas as forças vivas desta grande Igreja de Barreiras, presente nos seus diversos municípios: os padres, meus primeiros colaboradores, com os quais contarei totalmente para levarmos adiante a missão Evangelizadora da Igreja; as religiosas, diáconos, seminaristas, os leigos (as) que possuem uma missão bonita no anuncio e testemunho de Jesus Cristo. Espero contar e trabalhar construindo uma comunhão rica com todas as forças vivas desta nossa Igreja de Barreiras.

Espero estabelecer com todos os setores da sociedade um diálogo profícuo e respeitoso. Papa Francisco quando visitou o Rio de Janeiro, propôs a Cultura do Encontro. Diz ele: “Entre a indiferença egoísta e o protesto violento, há uma opção sempre possível: o diálogo. O diálogo entre as gerações, o diálogo no povo, porque todos somos povo, a capacidade de dar e receber, permanecendo abertos a verdade.

Aos meus irmãos padres, manifesto o meu desejo de trabalhar em comunhão e criar fraternidade presbiteral para que através do nosso viver, possamos testemunhar o Cristo que servimos e amamos.

Conto com a oração de cada um, pois nela, tocamos o mistério do Amor de Deus. Quero realizar convosco e para vocês unicamente a vontade de Deus. Meu abraço fraterno e minha benção.

  Pe. Manoel Aparecido da Silva
Administrador Diocesano

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)