Irmã brasileira é a nova Ecônoma do Patriarcado de Veneza

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Religiosa faz parte da Congregação das Filhas de São José do beato padre Luís Caburlotto. O Patriarcado de Veneza nomeou uma religiosa brasileira como nova Ecônoma diocesana. Trata-se da irmã Simone Pereira de Araújo da Congregação das Filhas de São José do beato Luís Caburlotto. Uma indicação recebida por sua Congregação “com surpresa”, mas também “com espírito de fé e serviço à Igreja”, declarou a religiosa ao boletim diocesano “Gente Veneta”.

“Quero enfrentar este serviço com um espírito de colaboração e abertura a uma realidade que não conheço, mas na qual, estou certa, terei a ajuda daqueles que já estão trabalhando na área administrativa” acrescentou. “O nosso fundador, o beato padre Luís Caburlotto, que em sua vida sempre se aproximou do campo administrativo com sabedoria, visão e obediência, será para mim modelo e guia para uma administração sábia e prudente”.

Doutora em Direito Canônico

Irmã Simone, 48 anos, nasceu em Porto Feliz, em São Paulo e entrou na Congregação das Filhas de São José de Caburlotto em 1995. Em São Paulo graduou-se em Pedagogia e Ciências Religiosas, mais tarde entre 2006 e 2012 cursou a Faculdade de Direito Canônico São Pio X em Veneza, obtendo a Licenciatura e o Doutorado em Direito Canônico. De 2011 a 2016, no Brasil, foi conselheira e secretária provincial e, a partir de julho de 2016, vigária da superiora provincial. Foi também diretora de escolas (pré-escola, ensino fundamental e médio) e coordenadora da catequese paroquial.

Professora e Catequista

Em julho de 2017, Irmã Simone voltou a Veneza e desde então mora na Casa geral das Filhas de São José de Caburlotto. Em 2018 e 2019 foi também professora de Direito Canônico na Faculdade São Pio X e ainda é colaboradora pastoral nas paróquias de San Nicolò dei Mendicoli e Angelo Raffaele em Veneza, especialmente para a iniciação cristã das crianças.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)