A fé nos faz lutar pelo que acreditamos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
“A mulher insistiu: ‘É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!’. Diante disso, Jesus lhe disse: ‘Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!’. E desde aquele momento sua filha ficou curada” (Mateus 15,27-28).

Olho para o coração dessa mãe que não sofre por ela, mas pela filha, e o sofrimento da filha é duas vezes maior no coração da mãe, porque a mãe encarna em si tudo aquilo que o filho está passando, vivendo, sentindo e sofrendo. A mãe diz em si: “Meu filho, como queria estar no seu lugar!”.

Toda mãe quer sofrer no lugar do filho, porque não aguenta ver seu filho sofrer. Essa mulher não foi implorar por ela, mas pela sua filha que estava sendo cruelmente atormentada por um demônio. Ela foi atrás de Jesus, porque somente Ele podia trazer a libertação de que a sua filha precisava.

Jesus estava primeiro ocupado com as ovelhas de Israel, aqueles a quem Ele veio em primeiro lugar, mas é importante dizer que Jesus não veio somente para a casa de Israel. Ele veio para todos, inclusive para nós, mas Ele quis, primeiro, os da própria casa.   

A fé é insistente, faz-nos ir atrás do que acreditamos, não do que queremos, mas d’Aquele que pode nos dar

Não adianta querer levar a Palavra de Deus para o mundo inteiro, mas não a levar para dentro da sua casa. Que incoerência! Que inconsistência e falta de sentido! Entendendo que essa era a Sua primeira missão, Jesus até estranha, porque a mulher era siro-fenícia, não fazia parte do povo de Israel, por isso Jesus usa um provérbio muito comum para os judeus: “Não convém tirar aquilo que é do dono para servir aos cães. Não posso tirar o pão dos filhos, para jogá-los aos cachorrinhos”.

Aliás, Ele usa a expressão carinhosa “cachorrinhos”, porque, na cultura judaica, aqueles que não eram judeus eram cães. A fé dessa mulher era impressionante. “É verdade, se não cabe tirar o pão dos filhos, os cachorrinhos comem as migalhas. Senhor, dê-me as migalhas, para mim elas são suficientes. Dê-me o tempo que estiver sobrando, dê me o que restar, mas o que o Senhor me der será mais do que necessário para a minha filha.”

A fé dessa mulher impressionou o próprio Jesus, e o fez até abaixar a cabeça. Assim é a fé: não é desespero, é busca confiante e apaixonante. A fé é insistente, faz-nos ir atrás do que acreditamos, não do que queremos, mas d’Aquele que pode nos dar.

O mais importante não era aquilo que ela queria, mas aquilo que Jesus podia lhe dar. E ela tinha certeza que Jesus podia fazer algo pela filha dela.

Mãe, você pode acreditar que Jesus pode fazer pelos seus filhos. Que a sua fé seja grande! Não desanime, seja confiante, seja retumbante no coração de Deus. Brigue pelas migalhas, pelo pão e pela graça de Deus que lhe é de direito. O amor de Deus jamais há de lhe faltar!

Deus abençoe você!

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)