O valor de uma vida, mesmo com demência

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Há muito mais coisas dentro de uma pessoa do que podemos imaginar Meu avô sofre de perda de memória progressiva. Quando eu o visito, ele ainda pergunta sobre minha família e fica invariavelmente surpreso – e muito satisfeito – por eu ser casado e ter seis filhos. Ele se lembra bem de que sou seu neto, lembra que meu nome vem dele, mas muitos detalhes sobre meu atual estado de vida começaram a lhe escapar.

Ele, no entanto, adora falar sobre sua infância, como costumava fazer as tarefas domésticas na fazenda da família em Moscow Mills, Missouri. Ele me conta em detalhes como fazia para plantar nabos. Ele fala sobre como conduzir mulas e viver os anos difíceis da década de 1930.

Quando chego para visitá-lo, ajudo-o a se levantar da poltrona reclinável e ele se lembra de como me preparava uma xícara de café – um anfitrião muito bem educado. Ele assiste a jogos de futebol antigos de décadas passadas e aproveita cada minuto deles.

A perda de memória é uma doença que persiste abaixo da superfície. Isso o afeta nos recônditos ocultos de sua própria mente, e só ele sabe quais memórias preciosas permanecem. A frustração, para ele, é que está bem ciente de que esqueceu algo, mas não tem certeza do quê. Tenho certeza de que parece que um pedaço de si mesmo foi perdido.

Como padre, costumo visitar pessoas nos últimos dias de suas vidas. Frequentemente, eles sofrem de demência e perda de memória. Mesmo em sua angústia, elas pedem um padre católico, porque se lembram de sua fé e de como é importante se preparar para a morte. Elas querem fazer uma confissão final.

Fico feliz em ouvir essa confissão, embora muito do que poderia ter sido falado durante a confissão tenha sido esquecido há muito tempo. Sempre acreditei que Deus honra nossas intenções e nossos melhores esforços para concretizar essas intenções, e há algo de precioso nessas confissões despedaçadas. Mesmo depois de grande parte de sua identidade pessoal ter sido apagada, essas pessoas desejam dizer a Deus exatamente quem são, para que Ele possa abraçá-las do jeito que são. É um momento de confiança total.

 

Eu não quero romantizar a demência ou perda de memória. É uma limitação difícil e frustrante para as pessoas que carregam essa cruz, atacando lentamente o âmago de quem são e isolando-as do passado e do presente. Também é difícil para os cuidadores. É doloroso para os filhos verem seus pais se afastando e tendo dificuldades em fornecer os cuidados médicos adequados. Mas, mesmo nesse sofrimento, há momentos de beleza, e uma pessoa com demência ainda leva uma vida valiosa.

O valor da vida

Preocupo-me com o fato de que, com muita frequência, nosso valor como seres humanos está vinculado à nossa produtividade – quanto dinheiro ganhamos, quão mentalmente aguçados somos, quão fisicamente aptos estamos.

Isso faz com que certas pessoas, que não podem mais contribuir, sejam esquecidas, escondidas em asilos e negadas ao cuidado e ao respeito que merecem.

Por exemplo, a arteterapia liberou a incrível criatividade de pessoas que lutam contra a perda de memória. Há muito mais nelas do que suspeitamos, tesouros escondidos que só surgem depois de uma vida inteira de experiências. Os arteterapeutas ajudam a revelar a dignidade das pessoas, mesmo nesse último estágio da vida.

Ao voltar para a paróquia depois de visitar alguém com demência, preciso de tempo para pensar. A qualidade de vida está ligada à memória? Requer um certo nível de função cerebral? Se sim, como no mundo um estranho traçaria essa linha?

Estamos em um terreno muito perigoso ao supor que as pessoas que mostram sinais de vulnerabilidade e declínio automaticamente não têm qualidade de vida.

Na verdade, com meu próprio avô, ele parece mais feliz do que nunca em me ver. Ele valoriza seus dias, seu tempo, seu café da manhã, sua família. A felicidade está disponível em todas as fases da vida.

O valor das memórias antigas

Rapidamente percebi que não posso “consertar” nenhum dos meus paroquianos com demência, só posso estar lá, ouvir, ajudá-los em pequenas coisas. Não há mais nada a ser feito. A única reação bem-sucedida é o amor. Não é esse o ponto todo, entretanto? Amar uns aos outros exatamente como somos, o melhor que podemos?

Pessoas com demência sentem grande alegria em reviver velhas memórias e, de certa forma, sua infância lhes é devolvida; sua mãe está viva novamente, elas estão de volta à fazenda da família, de volta aos dias de um verão esplêndido, olhando para o mundo com admiração.

Essas pessoas começam a se livrar das preocupações e a se alegrar com as pequenas coisas. Os momentos de lucidez se tornam mais fugazes, mas são ainda mais preciosos. Nada é dado como certo. Mesmo que as memórias não durem, os momentos de ternura que compartilhamos ainda são importantes. Eles ainda acontecem.

Há muito mais em um ser humano do que pensamos, tanto que torna uma vida valiosa. Uma peça do quebra-cabeça da identidade e dos valores humanos está ligada ao amor que compartilhamos, a realidade de que nunca estamos sozinhos, mas nos revezamos carregando fardos uns pelos outros – quando você é velho, eu sou jovem, quando sou fraco, você é forte.

A própria memória é um esforço coletivo. Ao longo dos anos, uma família conta histórias. Essas são as histórias que nos moldam, protegendo nossa individualidade e ao mesmo tempo nos conectando com nossos ancestrais e nossos filhos.

Essas histórias nos mantêm conectados mesmo durante a devastação da perda de memória e da demência. Como cristão, tenho fé até mesmo que nossas memórias cruzem a vastidão da eternidade e liguem os vivos e os mortos.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)