“Creem em políticos de estimação, mas, no caso de padres, não esperam prova”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Pe. Zezinho: “Deixam a Igreja porque a mídia disse que são culpados. Não é estranho? Dois pesos e duas medidas?” Via rede social, o pe. Zezinho assim se pronunciou sobre os escândalos que envolvem pessoas da Igreja e que, mesmo ainda em fase de investigação, levam pessoas a julgar e condenar a Igreja inteira pelos atos de alguns:

Só Deus é infinitamente santo. Proclamamos isto nas missas cantando muitas vezes a palavra Santo! Nós, humanos, recebemos graças para sermos humanamente mais santos. Nunca seremos santos perfeitos. Mesmo o mais honesto e piedoso fiel está sujeito a errar e pecar. Por isso, em todas as missas, começamos pedindo perdão e misericórdia. Kyrie eleison: Senhor, piedade!

A igreja teve milhares de santos imperfeitos e ainda tem. Ninguém chega ao topo da santidade. Somos humanos! Mas muitíssimos servem de exemplo pela caridade, tolerância e serenidade demonstrada no trato com os outros.

Alguns católicos decepcionados com notícias de jornal, TV e redes sociais decidem deixar nossa Igreja porque há padres e leigos católicos sob suspeita. Julgam toda a Igreja Católica pelo que leem nos jornais ou veem na TV. Nem esperam comprovação! Creem mais na mídia laica do que na Igreja na qual foram batizados!

Esqueceram os testemunhos de nossos mártires, confessores e fundadores de hospitais e creches e das milhares de obras que santos católicos fundaram! E deixam-se levar pela mídia achando que todos os católicos, padres e freiras e leigos, não merecem respeito! Mas os jornalistas e noticiaristas recebem sua confiança!

Não esperam o julgamento. Julgam eles mesmos! A Igreja suspende os ministros sob suspeita. E eles mesmos pedem dispensa por algum tempo para que possam provar sua inocência. Está no Direito Canônico que trata das leis da nossa Igreja.

Certos católicos creem na inocência dos seus políticos de estimação e defendem seu partido de unhas e dentes, mesmo depois de julgados. Mas no caso de bispos ou padres, não esperam nenhuma prova. Dizem que sairão da Igreja. Como se em outras igrejas todos os líderes fossem santos!

Deixam a Igreja porque a mídia disse que são culpados. Não é estranho? Dois pesos e duas medidas?

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

caldo-catolico
PUBLICIDADE

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)