XX Encontro da Pastoral da Educação acontece em setembro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Desafios da educação e perspectivas para uma ação pastoral no ensino público no Brasil devem ser abordados. Com as aulas suspensas desde abril em todo o país por causa da pandemia de Covid-19, milhares de estudantes tiveram do dia pra noite que se adaptar ao estudo on-line. O grande desafio foi manter a regularidade dos estudos pela internet. Fazer com que as crianças e jovens se voltassem ao computador, tablete ou celular para assistir às aulas não foi uma tarefa fácil para os pais.

Por outro lado, a pandemia do coronavírus mostrou as desigualdades e dificuldades de acesso à internet para famílias de baixa renda e/ou aquelas que vivem em regiões onde o sinal não chega. Sem contar que a maioria das escolas, especialmente as públicas, não tinha estrutura para oferecer ensino remoto. O mesmo vale para professores, muitos nunca tinham se aventurando no ensino à distância ou on-line.

O desafio da educação pública no Brasil diante das aulas on-line é uma realidade que vem sendo debatida desde a suspensão das aulas presenciais. Tema que deve ser debatido no XX Encontro Nacional da Pastoral da Educação que vai acontecer nos dias 11 e 12 de setembro virtualmente.

O encontro, que tem como tema “Igreja em Saída: A Pastoral da Educação na Escola Pública”, é uma realização do Setor de Educação da Comissão de Cultura e Educação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em parceria com a Associação Nacional de Educação Católica, o Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) e a FTD Educação.

Educação e Igreja

O bispo de Campanha (MG) e referencial para educação no regional Leste 2 da CNBB, Dom Pedro Cruz, aponta desafios e perspectivas para uma ação pastoral na Escola Pública com um olhar para esse “novo normal”.

“Diante dos desafios pelos quais atravessamos no campo ético e humanitário, devemos motivar os educadores na promoção de uma educação capaz de aprimorar a pessoa humana, ressaltando seus valores morais e seus direitos invioláveis. Tal objetivo só será atingido numa atitude de abertura, diálogo e respeito ao outro”, disse.

Dom Pedro ressalta ainda que a educação ocupa um espaço primordial na vida do homem e sempre contribuiu com o progresso social de cada época e que “consciente do pluralismo da sociedade moderna, a ação pastoral na escola pública deve assumir este espaço como um desafio e uma ‘saída missionária’, despertando o sentido de uma educação capaz de humanizar e formar pessoas para a sociedade”.

O bispo lembra que a proposta do Pacto Educativo Global proposto pelo Papa Francisco é um caminho que motiva a ocupar os “pátios educativos públicos” pelo diálogo amplo, recíproco e fraterno; sempre visando o Bem Comum.

“Talvez seja este o melhor e mais motivante caminho de uma Pastoral da Educação que traga luz à emergência educativa que estamos vivendo”, disse dom Pedro.

A realidade do ensino no Brasil

Dados do levantamento de 2017 do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) mostram que sete estados (AM, RR, PA, AP, BA, RJ e SP) e o Distrito Federal tiveram queda nos resultados do ensino médio. O Ideb é o principal indicador sobre a qualidade do ensino no Brasil.

Os dados mostram ainda que, ao considerarmos todo o país, somente os anos iniciais do ensino fundamental alcançaram as metas intermediárias definidas para o ano passado. Todo o ensino médio e os anos finais do ensino fundamental ficaram abaixo e apresentaram queda em ao menos um cenário.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

caldo-catolico
PUBLICIDADE

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)