Arcebispo Gallagher em Minsk leva proximidade do Papa à Belarus

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Há várias semanas a Belarus vem passando por momentos de grande tensão. O presidente Lukashenko é fortemente contestado pela oposição, que questiona a vitória obtida pelo chefe de Estado nas últimas eleições. Da Europa o apelo às partes para que abram o diálogo. Neste clima, o arcebispo Gallagher chega a Minsk para mostrar à Igreja Católica e ao país a paternal atenção do Papa Francisco.

O Papa Francisco acompanha com atenção os eventos em todo o mundo, quer positivos como negativos. O seu olhar nos últimos dias dirige-se também à Belarus, palco há várias semanas de um confronto acirrado entre o presidente Lukashenko e a oposição.

Nesta sexta-feira, 11, o secretário para as Relações com os Estados do Vaticano, o arcebispo Paul Richard Gallagher, foi à República da Belarus para mostrar a atenção do Santo Padre e sua proximidade com a Igreja Católica e com todo o país, um conforto importante neste momento de sérias dificuldades. O programa da visita de Dom Gallagher inclui encontros com as autoridades civis e os líderes da Igreja Católica.

Os votos do Papa para a Belarus

Francisco não cessa de invocar a paz para o mundo. Também o fez na saudação aos fiéis que acompanharam a recitação do Angelus no dia 16 de agosto, quando dirigiu seu pensamento à Belarus. Francisco abordou em particular a realidade política e social do amado país bielorrusso, confiando o seu povo à Virgem Maria.

«Acompanho atentamente a situação pós-eleitoral – disse o Pontífice – e faço um apelo ao diálogo, à rejeição da violência e ao respeito pela justiça e pela lei. Confio todos os bielo-russos – concluiu o Papa – à proteção de Nossa Senhora, rainha da paz”.

No dia 18 de agosto seguinte, diante de uma situação cada vez mais complicada, o Comitê Executivo de Justiça e Paz Europa convidou todos os cristãos a se unirem na recitação do ‘Pai Nosso’ pelo povo da Belarus, para que a verdade, a justiça e a paz prevalecessem.

No entanto, as posições do presidente Lukashenko e da oposição permanecem distantes. As manifestações continuam e no domingo, em Minsk, milhares de pessoas voltarão às ruas. Esta marcha, dizem os líderes da oposição, será dedicada a Maria Kolesnikova, a líder da oposição presa nos últimos dias. No dia seguinte, o chefe de Estado Lukashenko estará em Sochi, na Rússia, para se reunir com o presidente russo, Vladimir Putin.

A proibição a Dom Kondrusiewicz de entrar no país

 

Provavelmente Dom Gallagher não poderá encontrar-se com o arcebispo de Minsk, Dom Tadeusz Kondrusiewicz, que está na Polônia desde 31 de agosto, para onde havia se dirigido para as celebrações em honra de Nossa Senhora de Częstochowa, e então proibido pelas autoridades bielorussas de retornar à sua terra natal.

“Nas condições da crise sociopolítica em curso em nossa pátria – escreveu Dom Kondrusiewicz em uma nota – continuo a invocar o diálogo e a reconciliação. Não quero de forma alguma que a decisão injustificada e ilegal do serviço de fronteira agrave a tensão na nossa pátria”.

 Lamentando a impossibilidade de cumprir seus deveres pastorais devido à proibição, Dom Kondrusiewicz se dirigiu aos fiéis de sua Arquidiocese, pedindo-lhes que rezassem por seu rápido retorno à Belarus e pela solução pacífica da grave crise sócio-política do país.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)