MEDITAÇÃO DO DIA : Tu és o Cristo de Deus.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
SEXTA-FEIRA 25 SETEMBRO Tu és o Cristo de Deus. Uma vez, quando Jesus estava rezando sozinho, na presença de seus discípulos, perguntou-lhes: “Quem sou eu, no dizer do povo?”. Assim, o Salvador e Senhor de Todos se apresentou como modelo de vida digna aos seus santos discípulos quando rezava sozinho, na presença deles.

Mas, talvez houvesse algo importante, com que ele se importasse, que provocou em seus discípulos pensamentos, não desafios. Na verdade, eles viam o homem orando e que no dia anterior tinham visto as maravilhas da obra divina. Consequentemente, não seria infundado que se fizesse esta reflexão: “Que coisa estranha! Devemos considerá-lo como Deus ou como homem?”.
Para acabar com o tumulto de tais meditações e acalmar a fé oscilante deles, Jesus fez-lhes uma pergunta, sabendo perfeitamente de antemão o que diziam sobre ele aqueles que não pertenciam à comunidade judaica e até o que os israelitas pensavam dele. Ele queria removê-los efetivamente da opinião da multidão e estava procurando uma maneira de consolidar neles uma fé correta. Então, Ele lhes pergunta: E vós, quem dizeis que eu sou?
Mais uma vez é Pedro quem está à frente dos outros, tornou-se o porta-voz do colégio apostólico, profere palavras cheias de amor a Deus e uma profissão de fé precisa e irrepreensível nele, dizendo: O Cristo de Deus […].
Depois que o discípulo fez a confissão de fé, ele os proibiu estritamente de contar a qualquer pessoa. E ele acrescentou: “O Filho do homem tem que sofrer muito, ser reprovado e executado, e ressuscitar no terceiro dia”. Mas essa não era mais uma razão para os discípulos pregarem em todos os lugares? Esta foi efetivamente uma missão daqueles que ele consagrou para o apostolado. Mas, como diz a Sagrada Escritura: Cada assunto tem seu momento. Era conveniente que sua pregação fosse precedida pela plena compreensão dos mistérios que ainda não haviam se cumprido. São eles: a crucificação, a paixão, a morte corporal, a ressurreição dos mortos, este grande e verdadeiramente glorioso milagre pelo qual se prova que Emanuel é o verdadeiro Deus e Filho natural de Deus Pai.

São Cirilo de Alexandria
Homilia 39: Edit R.M. Tonneau, CSCO Script Syri 70,110-115
Patriarca de Alexandria († 444)

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)