Papa Francisco: “Ajudar com pequenos gestos que são vistos por Deus”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
“No exercício de sua profissão, estejam sempre ciente de que toda pessoa é amada por Deus, é sua criatura e, como tal, merece respeito” recordou o Papa Francisco aos membros da Arma dos carabineiros da Companhia Roma-São Pedro

Na manhã deste sábado, 17 de outubro o Papa Francisco recebeu os membros da Arma dos Carabineiros da Companhia Roma-São Pedro. O Papa iniciou agradecendo o trabalho dos Carabineiros da Santa Sé e também pela colaboração com outras forças armadas italianas e vaticanas para a segurança e ordem pública.

“Em seu trabalho, afirmou o Papa , “ao redor do Vaticano como em outras partes da cidade, vocês são chamados a prestar atenção especial às pessoas frágeis e desfavorecidas, especialmente os idosos”

Pequenos gestos vistos por Deus

Francisco recordou da tradicional relação de confiança entre os membros da Arma dos Carabineiros e os cidadãos. “Quando uma pessoa encontra um Carabineiro, ela está ciente de que pode contar com sua ajuda. E isto é mais meritório quando acontece através daqueles pequenos e significativos gestos, nem sempre vistos, de seu serviço diário” disse o Papa acrescentando “mesmo se os superiores não veem estes atos ocultos, podem ter certeza que Deus os vê e não os esquece!”.

Toda pessoa é amada por Deus, merece respeito

“Encorajo todos vocês, continuou o Pontífice, a serem promotores da cidadania responsável, guardiões do direito à vida, através de seu compromisso com a segurança e a proteção das pessoas”.

“No exercício de sua profissão, estejam sempre ciente de que toda pessoa é amada por Deus, é sua criatura e, como tal, merece respeito”

Por fim o Papa Francisco afirmou: “Renovo a todos vocês minha gratidão pela presença vigilante e discreta ao redor do Vaticano. Que o Senhor os recompense!”. Desejando que “todos vivam experiências positivas para sua vida profissional, pessoal e familiar”.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)