Chile: Virgem de Guadalupe é encontrada intacta em igreja incendiada

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Uma imagem da Virgem de Guadalupe foi encontrada intacta após vândalos atearem fogo na Igreja da Assunção, no Chile. De fato, a igreja foi o alvo principal dos manifestantes que foram às ruas de Santiago no dia 18 de outubro de 2020. Os protestos lembraram um ano das manifestações que pedem, sobretudo, mais igualdade social no país.

Logo após os ataques, as imagens lamentáveis da cúpula da igreja caindo em chamas correram o mundo. O templo, aliás, ficou destruído. Entretanto, houve um símbolo religioso que ficou praticamente intacto em meio às ruínas: uma composição da Virgem de Guadalupe.

Doze azulejos, portanto, formam a composição, que fica ao fundo da igreja, em um dos altares laterais. O quadro foi uma doação da artista María Angélica Serrano (1943-2017) à paróquia. Ela é mãe de Pablo Allard, famoso arquiteto e urbanista chileno.

“Esta imagem tem um pequeno ferimento na parte das bochechas. No entanto, ela está ali como Mãe. Sabemos que temos que lutar com nossa mente e força, mas também sabemos que não vamos chegar muito longe assim. Sabemos que não estamos sozinhos, temos a Ela e temos ao Senhor. Isso é o que me alegra e quero deixar como testemunho”, disse Dom Celestino Aós, arcebispo de Santiago.

Com toda a certeza, como reconhece o próprio arcebispo, o leve ferimento da imagem é uma mostra de esperança em meio à dor, um sinal que a Mãe nunca deixa ninguém sozinho.

Igreja seria reformada

Da mesma forma, a paróquia da Assunção já tinha sido saqueada e parcialmente queimada no dia 8 de novembro de 2019, auge dos protestos no Chile. De lá pra cá, a comunidade reforçou as portas e protegeu alguns vitrais. Entretanto, as medidas não foram suficientes para conter o novo ataque dos manifestantes.

Por outro lado, a diretora da Ajuda à Igreja que Sofre no Chile, Magdalena Lira, informou que desde o primeiro ataque houve uma campanha para arrecadar fundos para a reforma da igreja. “No dia 8 de novembro, quando se completaria um ano do primeiro ataque, o pároco ia anunciar a dada de início das obras. Nossos planos, no entanto, foram destruídos”, lamentou.

Enfim, quanto tempo, então, levaria a reconstrução da igreja? Ninguém sabe. Assim como é impossível mensurar a dor da comunidade. Entretanto, como disse o pároco é preciso entender esses ataques como algo para transformar os corações dos fiéis.

Extremistas queimam igrejas no Chile
Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)