BISPO PRESTA SOLIDARIEDADE À POPULAÇÃO DE CAMETÁ, NO PARÁ, APÓS ASSALTO DE QUADRILHA A BANCO

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Uma quadrilha tomou as ruas de Cametá (PA), a 235 km de Belém, e assaltou uma agência bancária no começo da madrugada de quarta-feira, dia 2 de novembro.

A ação tem características semelhantes à registrada em Criciúma, no Sul de Santa Catarina, na madrugada de terça (1º), em que uma quadrilha também fez ataques pelo município para assaltar uma agência bancária.

Cametá é uma das 10 maiores cidades do Pará, com cerca de 136 mil habitantes, segundo o IBGE, e fica próximo à Ilha do Marajó, no norte do estado. Durante a ação da quadrilha, um homem foi morto após ser feito refém. Outra pessoa foi atingida por tiros e precisou ser internada no hospital da cidade. Na ocasião, a quadrilha também fez um grupo de reféns.

Dom José Altevir, bispo de Cametá, divulgou uma nota prestando solidariedade ao povo de sua cidade. No texto, o bispo afirma que hoje, a violência urbana não é uma preocupação exclusivamente das grandes cidades. “Aliás, engana-se quem acredita que o fenômeno da violência urbana está restrito aos grandes centros”.

Para ele, esse problema pode ser observado também em pequenos centros urbanos, em todo o país, onde recentemente as manchetes dos jornais mostram um aumento no número de assaltos, homicídios e outros atos de violência, o que deixa as populações locais apreensivas. “Isso comprova que a violência tem tomado proporções gigantescas e atualmente é configurada como um grande atentado à vida, que carece de uma solução urgente”, afirma dom Altevir.

Confira a nota na íntegra:

 

NOTA DE SOLIDARIEDADE AO POVO DE CAMETÁ
Cametá, 02 de dezembro de 2020.

“Deus habita nesta cidade”.

Querido povo de Cametá, “… assim diz o Senhor Deus, Aquele que criou você, Jacó, Aquele que formou você, ó Israel: Não tenha medo, porque eu o protegi e o chamei pelo nome. Você é meu.

Quando você atravessar a água eu estarei com você, e os rios não o afogarão. Quando você passar pelo fogo não se queimará, e a chama não o alcançará, pois eu sou Javé, o teu Deus, o Santo de Israel, seu Salvador”( Is. 43, 1-3a ).

Com estas palavras bíblicas quero chegar a cada família que passou sem dormir a noite do dia 01 para o dia 02 deste mês de dezembro de 2020, vendo a cidade atemorizada, sendo alvo de um assalto de grandes proporções, deixando a população aflita sob as balas de fuzis cruzando os céus da nossa “Invicta Cametá”. Deus proteja o seu povo, fortaleça a fé, a esperança em dias melhores.

Para isso precisamos contar com medidas proativas ligadas à segurança pública, em todo o nosso país. Hoje, a violência urbana não é uma preocupação exclusivamente das grandes cidades. Aliás, engana-se quem acredita que o fenômeno da violência urbana está restrito aos grandes centros.

Esse problema pode ser observado também em pequenos centros urbanos, em todo o país, onde recentemente as manchetes dos jornais mostram um aumento no número de assaltos, homicídios e outros atos de violência, o que deixa as populações locais apreensivas. Isso comprova que a violência tem tomado proporções gigantescas e atualmente é configurada como um grande atentado à vida, que carece de uma solução urgente.

Quanto ao ocorrido nesta madrugada, aqui em Cametá, venho em nome da nossa Diocese, como Igreja comprometida com a vida, expressar nossa solidariedade com a família do jovem que perdeu sua vida, com todos os policiais, especialmente os feridos, na busca de proteção para o povo desta cidade. Esses homens que se arriscam, com poucas condições de trabalho para desenvolver sua missão. Nossa solidariedade também com as famílias de todos que foram feitos reféns, mas com a graça de Deus foram libertados.

Peçamos que com a presença de Deus, ajuda das autoridades competentes no campo da segurança pública, seja municipal, estadual, o que por sinal já se percebe uma atuação neste sentido, possamos voltar a dormir em paz, nesta noite que se aproxima.

“Deus está presente na cidade” (DAp n. 214), esta presença nos ajuda a superar a “cultura do medo” e adotar a “cultura da confiança, vigilância e liberdade”.

Toda nossa solidariedade à população de Cametá e de todos os dez municípios de nossa Diocese que sofrem dia após dia com tanta violência. Venha a todos a “Cultura da Paz”!

Dom José Altevir da Silva, CSSp
Bispo da Diocese de Cametá – PA

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)