O Papa: os “ícones” do Natal são um sinal de esperança neste tempo de pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Francisco disse que “a festa de Natal nos lembra que Jesus é a nossa paz, nossa alegria, nossa força, nosso conforto. Mas, para acolher estes dons da graça, precisamos nos sentir pequenos, pobres e humildes como os personagens do presépio”.

O Papa Francisco saudou, nesta sexta-feira (11/12), as delegações que doaram, ao Vaticano, o presépio e a árvore de Natal que enfeitam a Praça São Pedro. A inauguração oficial da decoração natalina está prevista para esta tarde.

“Vocês vieram para a entrega oficial da árvore de Natal e do presépio colocados na Praça São Pedro. Dou-lhes as boas-vindas e agradeço a presença de vocês”, disse o Papa no início de seu discurso, saudando, a seguir a delegação da República da Eslovênia, guiada pelo Ministro das Relações Exteriores, e acompanhada pelo cardeal Rodé e pelo arcebispo de Maribor, composta por outros ministros, embaixadores e personalidades ilustres. “A Eslovênia doou o majestoso abeto vermelho, escolhido nos bosques de Kočevje”, disse Francisco.

O Papa saudou a delegação da Diocese de Teramo-Atri, com o bispo Lorenzo Leuzzi e numerosas autoridades civis.

O monumental presépio de cerâmica vem de sua terra, precisamente de Castelli. Esta tarde, haverá a inauguração destes dois “ícones” do Natal. Nunca como este ano, eles são um sinal de esperança para os romanos e para os peregrinos que terão a oportunidade de vir admirá-los.

“A árvore e o presépio ajudam a criar um clima natalino favorável para viver com fé o mistério do Nascimento do Redentor”, disse ainda o Pontífice.

No presépio, tudo fala de pobreza “boa”, a pobreza evangélica, que nos torna beatos: contemplando a Sagrada Família e os vários personagens, somos atraídos por sua humildade que desarma. Nossa Senhora e São José vieram de Nazaré até Belém. Não há lugar para eles, nem mesmo um pequeno quarto. Maria escuta, observa e guarda tudo em seu coração. José procura um lugar para ela e o menino que está prestes a nascer. Os pastores são protagonistas no presépio, como no Evangelho. Vivem ao ar livre. Vigiam. O anúncio dos Anjos é para eles, e eles vão imediatamente procurar o Salvador que nasceu.

Francisco disse ainda que “a festa de Natal nos lembra que Jesus é a nossa paz, nossa alegria, nossa força, nosso conforto. Mas, para acolher estes dons da graça, precisamos nos sentir pequenos, pobres e humildes como os personagens do presépio”.

Também neste Natal, em meio ao sofrimento da pandemia, Jesus, pequeno e indefeso, é o “Sinal” que Deus doa ao mundo. Sinal admirável, como inicia a Carta sobre o presépio que eu assinei um ano atrás em Greccio. Nos fará bem relê-la nestes dias.

O Papa agradeceu a todos do fundo do coração! Agradeceu também aos que não puderam estar presentes, “assim como aqueles que ajudaram no transporte e na montagem da árvore e do presépio”. “Que o Senhor os recompense por sua disponibilidade e generosidade”, disse o Papa, fazendo votos a todos de “uma celebração do Natal cheia de esperança”. “Feliz Natal”, concluiu Francisco. 

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)