Igreja nos EUA exorta ao trabalho pela reconciliação nacional

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
O número de mortos devido ao ataque ao Congresso continua a subir. Durante anoite, morreu um policial ferido nos confrontos em Washington em 6 de janeiro. E enquanto o país decide entre o impeachment ou a destituição de Trump, o presidente que deixa o cargo admite a vitória de Biden. A Igreja, por sua vez, continua a exortar a superação de todas as divisões

Os Estados Unidos fazem as contas com as falhas de segurança interna. O ataque ao Capitólio, com saldo de 5 mortos, 13 feridos e 33 prisões, evidenciou a dificuldade da polícia diante da fúria dos manifestantes. As investigações do ocorrido irão continuar, assim como prossegue a onda de demissões na Casa Branca, enquanto se conta uma nova vítima fatal, um policial que havia sido ferido.

O país agora aguarda com ansiedade o 20 de janeiro, dia da posse de Joe Biden. O presidente eleito não tem intenção – apesar das demandas dos democratas – de abrir processo de impeachment contra Trump, nem de recorrer à 25ª emenda da Constituição. Em seu discurso de ontem, quinta-feira, apesar de ter acusado Trump de atentar contra a democracia e provocar violência com seus quatro anos de presidência, Biden descarta a ideia da destituição do presidente que está deixando o cargo, porque não ajudaria a unificar o país.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)