O ego nos afasta de Jesus

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
“Esta é a minha alegria, e ela é completa. É necessário que ele cresça e eu diminua” (João 3,29-30).

Até então era João quem pregava e anunciava, que proclamava que o Reino de Deus estava se aproximando. E uma vez que o Reino de Deus chega, que está presente em Jesus, os discípulos vão questionar João a respeito do testemunho, do anúncio e da pregação do Senhor.

Que beleza! É João mesmo quem diz: “É o noivo que recebe a noiva, mas o amigo que está presente O escuta”. João é o amigo do Noivo, e ele enche-se de alegria ao ouvir a voz do Noivo, por isso o coração dele exulta de alegria (cf. João 3,29).

Uma vez que João é o amigo do Noivo, uma vez que ele preparou a Noiva para que recebesse o Noivo Jesus – a noiva é a Igreja e somos nós –, o Noivo está ali. Como bom amigo, João se alegra, e por isso realmente diz: “Convém que Ele cresça e eu diminua, porque Ele é o Salvador, Ele é o Senhor”.

A sociedade do ego leva as pessoas a serem mais egoístas quando, na verdade, temos que ser tomados pela rede de Jesus

Nos tempos em que vivemos, temos que ter muito cuidado para não tomarmos o lugar de Jesus. O que tem acontecido em tantos trabalhos na evangelização, na missão, é que muitas pessoas estão querendo ser o ‘Messias’. E, mais do que isso, somos nós, no nosso protagonismo na Igreja, queremos tomar o lugar de Jesus e não O apontamos às pessoas para que O procurem. Jesus é o Salvador.

Nós, cheios de dores humanas, reclamamos, porque ninguém se lembra de nós, não somos reconhecidos, aplaudidos, não somos curtidos nem lembrados. A sociedade do ego é perigosíssima, é a sociedade que exalta o ego de cada um; e agora, em tempos de redes sociais, mais ainda! Cada um posta a sua imagem, cada um posta a si mesmo e cada um quer ser mais reconhecido, mais lembrado e aclamado.

Que perigo! A sociedade do ego leva as pessoas a serem mais egoístas, orgulhosas e soberbas quando, na verdade, elas têm que tirar o coração das redes [sociais] para serem tomadas pela rede de Jesus, pelo coração de JesusTemos de ter em nós os sentimentos que João nutriu por Jesus. Na verdade, é o Evangelho que deve nos mandar, direcionar-nos até na hora de lançar as redes – e aí digo nas redes sociais –, mas não para crescermos, não para sermos reconhecidos nem exaltados, mas para que Jesus cresça, que nós diminuamos e que Ele seja exaltado, louvado, amado, adorado e aclamado.

Deus abençoe você!

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)