Padre José Maria Rason morre aos 78 anos em decorrência da Covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
José Maria Rason estava se recuperando de uma cirurgia no fêmur quando testou positivo para a doença. Enterro será no Cemitério São José.

Morreu em Ituiutaba, nesta quarta-feira (9), o padre José Maria Rason, vítima da Covid-19. Segundo informou a Diocese da cidade, o sacerdote de 78 anos estava tratando de uma cirurgia no fêmur quando testou positivo para a doença e não resistiu.

O enterro será na manhã desta quinta-feira (10) no Cemitério São José, após cortejo que ocorre no Centro da cidade.

Conforme a assessoria de comunicação, há algumas semanas o padre sofreu uma queda e lesionou a perna. Ele passou por três cirurgias devido a rejeições apresentadas.

Há cerca de 11 dias, ao retornar ao hospital para fazer uma revisão do procedimento cirúrgico, fez exame para Covid-19 como forma de protocolo e testou positivo, apesar de não estar sentindo sintomas.

O sacerdote foi internado e, na noite desta quarta-feira teve parada cardíaca e não resistiu.

Na nota de falecimento divulgada pela Diocese de Ituiutaba, o Dom Frei Irineu Andreassa prestou homenagem ao padre.

 

“Agradeço ao Bom Deus pelos muitos trabalhos do Pe. José Maria Rason, por tudo que ele foi como pessoa, e sobretudo, como ministro das coisas do alto, Sacerdote do altíssimo. Pelas suas qualidades e méritos que, certamente, superam em muito seus limites e fragilidades”.

História na igreja

 

Padre José Maria nasceu em 7 de setembro de 1942, em Vigo di Fassa, na Itália. Foi o primeiro padre a ser ordenado na Diocese em Ituiutaba, em 12 de outubro de 1985. Exerceu o ofício de pastor de duas paróquias, sendo São Francisco de Sales, na cidade de São Francisco de Sales, e na cidade episcopal de Ituiutaba, na paróquia São Judas Tadeu.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)