Tomemos consciência da nossa consagração a Deus

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
“Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor” (Lucas 2,22).

Já se passaram 40 dias da celebração do nascimento de Jesus, e após os 40 dias Jesus é levado ao templo para ser apresentado ao Senhor. Aquele que nos foi enviado por Deus é levado por Seus pais para se apresentar, para dizer: “Esse menino está a serviço do Senhor. Ele pertence ao Senhor. Ele é um consagrado do Senhor”.

Assim rezava a Lei: “Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor”, e Jesus é o consagrado por excelência, Ele é o consagrado do Pai.

A consagração é o ato de tornar uma coisa sagrada. Pode até parecer redundante para a nossa mentalidade, mas Jesus é sagrado. Ele, enquanto homem, está consagrando e entregando toda a sua humanidade para Deus. Ele está nos ensinando aquilo que também devemos fazer e, um dia, nossos pais o fizeram. Porque nós também fomos apresentados a Deus, também fomos consagrados a Ele, também fomos entregues pela graça do batismo.

A festa de hoje é um convite e uma provocação, para que tomemos consciência da nossa consagração

Fico muito admirado, porque, cada vez mais, os pais têm feito questão de assim que as crianças nascem, na primeira oportunidade, levarem-nas às igrejas, um lugar da vivência da fé, para apresentá-las à própria comunidade.

Esse ritual não é um ritual sacramental, ele não substitui o rito do batismo de forma alguma, mas preciso dizer que é um ritual sagrado e belo. Morei tantos anos nos Estados Unidos e vi que era um ato muito praticado lá, e tenho o prazer cada vez que vejo uma mãe trazer uma criança pequena nos braços, muitas vezes, ainda recém-nascido, para entregar a Deus.

É preciso dizer que a verdadeira consagração é o batismo de cada um de nós. Se Jesus foi ainda criança, com 40 dias, consagrado a Deus, ainda lamento que há pessoas que tenham dúvidas sobre por que batizar uma criança tão cedo. A pergunta não é essa. A pergunta é: Por que não batizar tão cedo nossas crianças? Por que não consagrar tão cedo nossas crianças a Deus?

Já no ventre da mãe, faço questão de abençoar, de consagrar e entregar, e logo que se traz à Igreja para o ritual do batismo, a consagração batismal é plena. Não só pela água do Espírito que desce, e a criança é batizada no Espírito Santo, mas por toda a unção que a criança recebe no peito, na testa. Somos ungidos com os óleos da consagração, somos ungidos com o óleo do crisma, com o óleo dos catecúmenos, ou seja, tornamo-nos propriedades de Deus.

A festa de hoje é um convite e uma provocação, para que tomemos consciência da nossa consagração, pois eu, você, nossos filhos somos propriedades de Deus, pertencemos a Ele e precisamos permitir que essa consagração e essa unção faça toda a diferença em nossa vida.

Deus abençoe você!

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2020

Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)