A Vida Religiosa na (Pós)Pandemia: “dar testemunho da vida

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
A Vida Religiosa Consagrada no mundo (pós)pandêmico. Presença solidária onde a Vida clama, esse foi o tema de reflexão da live organizada pelo Instituto Humanitas Unisinos. Três religiosas, Liliana Franco, Maria Inês Vieira Ribeiro e Márian Ambrósio, ajudaram com sua reflexão a descobrir luzes diante de uma realidade que nos supera.

Liliana Franco começou por fazer um apelo para “reconhecer aquela presença de solidariedade onde a vida clama”. Uma pandemia que tem muitos rostos, que está tirando as vidas e oportunidades de muitos homens e mulheres. Uma crise que tem muitas facetas, a falta de alimentos, a falta de oportunidades de emprego, a escassez de recursos de saúde e uma oferta educativa deficiente. Crise migratória, que está dando forma a um novo rosto da sociedade. Crise de corrupção, que leva ao esbanjamento para o bem privado do que deveria ser o bem público. Crise de violência, que se manifesta em femicídios, assassinatos de líderes sociais, disputas sobre território, tráfico de droga, mineração, extrativismo. Crise de saúde, sendo “encurralados por um vírus que mudou o ritmo das nossas vidas”. Uma crise que nos transborda e cujas consequências negativas estão crescendo.

Como nos situarmos diante desta crise, questionou a presidenta da CLAR, que partiu da ideia de que a realidade é complexa, perante a qual os homens e mulheres de fé são chamados a situar-se a partir de um olhar de fé e esperança, a ler os fatos a partir de uma atitude crítica e profética e de um compromisso construtivo, em discernimento, reconhecendo o que Deus nos indica, alertando que a vida religiosa é chamada a ir até às fronteiras, a denunciar, a sair em missão.

A religiosa perguntou-se “onde é que nós, religiosos, temos estado nesta crise”, enumerando 10 cenários. O primeiro na confortável poltrona do espectador, com pouco sentido crítico; no fogão, acendendo a vela para que a panela comunitária fosse suficiente para todos; abrindo a porta da casa para que houvesse espaço para os outros; arriscando a vida na linha da frente dos que cuidam dos doentes; penetrando no profundo da terra, tentando responder com recursos para as comunidades amazónicas; participando em redes e correntes de solidariedade; gerando alternativas de formação, através da virtualidade; desenvolvendo a criatividade para continuar a missão, com novas metodologias e recursos; rezando e convencidos de que este é tempo; no lugar das vítimas, muitos religiosos e religiosas morreram pela Covid-19.

“Não podemos ficar indiferentes, nem paralisados perante esta realidade”, insistiu a irmã Liliana, que perguntou “que nova humanidade está emergindo”. A presidenta da CLAR convidou a dar pequenos passos: ter uma atitude aberta para perceber a densidade da vida que nos rodeia, que permita “saber conviver com as incertezas”, transformar as dificuldades em possibilidades, insistindo que “cabe-nos a nós dar testemunho de esperança perante a adversidade”.

Para isso é necessário assumir os valores do Evangelho, como horizontes de ser e agir, apostando em caminhar com outros, abraçando a situação dos pobres e excluídos, cada vez mais numerosos, empenhados na formação de uma consciência crítica e de responsabilidade social, deixando ressoar as propostas de Fratelli tutti. É tempo de gerar utopia, de aproveitar as oportunidades para gerar redes que ajudam a cuidar da vida, da terra e das culturas. “Fazer desta crise um laboratório de aprendizagem, que nos permita desvendar novos caminhos, despertar uma sensibilidade que nos permita a todos nós envolvermo-nos e exercitar a compaixão”. Seguindo as palavras do Papa Francisco, apelou à criação de espaços em que haja lugar para a diferença e universalidade, afirmando que “como vida religiosa somos construtores desta mudança que não pode ser adiada”.

Reflexão desde a dimensão pessoal, como eu me preparo para a pandemia, se questionava a irmã Maria Inês. Fazia isso a partir do sofrimento das pessoas, de pessoas próximas, conhecidas, denunciando “os desmandos intoleráveis do governo do nosso país, é triste ver que o povo está pagando com a vida as irresponsabilidades dos nossos governos”, criticando a falta de planejamento governamental e o negacionismo, uma atitude presente inclusive entre os religiosos, segundo a presidenta da CRB, “que nos machuca muito, porque vemos que há pessoas que estão surdas, cegas e mudas”. Ela definia o momento atual como “o tempo de cuidar”, de nos focarmos no essencial, lembrando que no carisma de muitos fundadores está o chamado a “ser uma resposta onde a vida mais clama”.  

A religiosa citava exemplos concretos, como Frei Mariano, o jovem franciscano que trabalhava no Barco Hospital Papa Francisco, no Estado do Pará, e que faleceu vítima da Covid-19; o testemunho da vida religiosa em Roraima, onde todas as comunidades, de 25 congregações, estão envolvidas de alguma maneira com os migrantes. O confinamento tem sido “oportunidade para compreender melhor o nosso ser”, afirmava a irmã Maria Inês, percebendo a necessidade de “sermos mais coerentes, mais autênticas, mais radicais”, entendendo que estamos todos no mesmo barco, o que tem que nos levar a nos ajudarmos, refletindo sobre o que significa a vida em comunidade para a vida religiosa.

A pandemia tem sido um tempo em que “estamos reaprendendo a viver a proximidade”, de valorizar o olhar, o sorriso, a escuta, de não deixarmos abater pela desesperança, pela tristeza, pelo negativismo. Um tempo para entender que o ritmo das coisas nem sempre é aquele que esperamos, com muitas coisas indo devagar, até paradas. Um tempo que a presidenta da CRB vê como “uma experiência pedagógica”, que transforme o chronos em kairós, que ajude a entender a sobriedade. Estamos ante um tempo de refletir e um tempo de agir, de se perguntar o que buscamos, de se colocar diante do Mistério. 

Um chamado a profetizar e testemunhar, esse foi o chamado que fez à vida religiosa a irmã Márian Ambrósio, fazendo que “a nossa vida seja um mistério, seja um lugar onde as pessoas toquem e digam Deus existe, a esperança existe”. Ela falava de questões de fundo, que jamais podem ser esquecidas na Vida Religiosa, “a nossa identidade e o nosso significado”, neste tempo de pandemia, o que a Vida Religiosa está significando para o mundo: questões recorrentes, as obras, a formação, os relacionamentos, a animação vocacional, a falta de vocações…, para as que a pandemia não pode ser uma escusa; e questões do momento presente, a tentação de voltar ao que nos dá segurança, releitura dos carismas, significado dos votos, da vida em comunidade, o papel da mulher na Igreja, a pandemia e a pós pandemia.

A ex-presidenta da CRB fazia um chamado a testemunhar esperança para todos os machucados pela pandemia, e assim não trair a mais fundamental vocação. Ela se perguntava se existe uma esperança para as congregações, convidando a se perguntar quais são os sinais de futuro que estão presentes hoje em cada congregação. Recordando o profeta Jeremias, que mostra que “há uma esperança para o teu futuro”, levando a descobrir que a esperança é algo de Deus. Também recordava o convite do Papa Francisco à Vida Religiosa: “abraçar o futuro com esperança”. Isso deve levar a “aprender a abraçar a pandemia”, e para abraçar tem que estar em pé, tem que se perguntar que causa quer abraçar e discernir quem precisa do meu abraço, tem que abrir os braços e as mãos.

A irmã Miriam fazia um chamado à vida religiosa a fugir do fechamento, a abraçar os vulneráveis, os machucados na pós pandemia, a voltar como Vida Religiosa para as realidades que são suas, para seu essencial, a fincar uma estaca da esperança, a deixar sentir o perfume do carisma que a Vida Religiosa irradia. O desafio é assumir o jeito dos profetas e profetisas da Bíblia, que falavam de coisas novas, insistindo em que “a profecia é sempre portadora de esperança, abraçando, anunciando e testemunhando”. Se faz necessário, segundo a religiosa, “corrigir a visão distorcida de Deus durante a pandemia, um Deus que castiga o mundo”, e frente a isso “anunciar o rosto do Deus da Vida”.

Nesta dimensão da profecia, a Irmã Liliana apelou à profecia da comunidade, mostrando a necessidade de novas experiências de relacionamento, de superar o “clericalismo, demagogias, formas verticais de fazer as coisas”, de se colocar na condição de irmãos, de fazer um apelo ao sinodal, de construir com os outros e na condição de irmãos, transcendendo a idolatria do individualismo, de redescobrir razões para viver, de sair dos pedestais e tocar mais o pó e o humano, não para teorizar.

É um tempo para “aprofundar nossas raízes”, insistia a irmã Maria Inês, “na nossa identidade, no nosso sermos como consagrados e consagradas”, fazendo um chamado a estar prontos e confiar, a exemplo de Maria, na Ressurreição, testemunhando a alegria e a esperança a partir da nossa convivência. Um chamado a “dar testemunho da vida que clama por Ressurreição, por esperança, por alegria, por fé, por transcendência”.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

Apoio Cultural:

banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".