O Papa: a oração não é para coisas extraordinárias, mas para nos unir a Cristo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Francisco enviou uma mensagem em vídeo aos participantes do Congresso “Mulher excepcional” por ocasião do cinquentenário do Doutorado de Santa Teresa de Ávila. O Papa recorda as palavras da santa: “A oração não é para experimentar coisas extraordinárias, mas para nos unir a Cristo”

“O que mede a perfeição das pessoas é seu grau de caridade, não a quantidade de dados e conhecimentos que elas podem acumular”. Foi um dos pontos fortes da mensagem que o Papa Francisco enviou ao Congresso Internacional “Mulher excepcional” por ocasião do cinquentenário do Doutorado de Santa Teresa de Ávila.  Assim como recordou que a oração fez de Santa Teresa “uma mulher excepcional, uma mulher criativa e inovadora”.

Ouça e compartilhe!

“Determinação determinada”

Francisco iniciou sua mensagem afirmando: “A expressão ‘mulher excepcional’, que dá o título ao vosso encontro, foi usada por São Paulo VI. Estamos falando de uma pessoa que se destacou em muitos aspectos”. “Entretanto – continuou o Papa – não se deve esquecer que sua reconhecida relevância nestas dimensões nada mais é que a consequência do que foi importante para ela: seu encontro com o Senhor, sua ‘determinação determinada’, como ela diz, de perseverar em união com Ele através da oração, sua firme intenção de realizar a missão que lhe foi confiada pelo Senhor, a quem ela se oferece com simplicidade. A ousadia, criatividade e excelência de Santa Teresa como reformadora são frutos da presença interior do Senhor.

Cristãos chamados a renovar a face da terra

“Dizemos que ‘não estamos vivendo em uma época de mudanças, mas em uma mudança de época’. E neste sentido, nossos dias têm muitas semelhanças com os do século XVI em que a santa viveu”. E Francisco compara: como naquela época, “agora nós cristãos somos chamados a assegurar que, através de nós, o poder do Espírito Santo continue a renovar a face da terra na certeza de que no final são os santos que permitem que o mundo avance em direção a seu objetivo final”.

A oração serve para nos unir a Cristo

“Os santos nos estimulam e nos motivam”, reitera o Papa na sua mensagem, “mas eles não estão lá porque tentamos literalmente copiá-los, a santidade não pode ser copiada (…) “O que importa é que cada crente discerne seu próprio caminho, cada um de nós tem seu próprio caminho de santidade, de encontro com o Senhor. “De fato” explicou, “a própria Santa Teresa adverte suas monjas que a oração não é para experimentar coisas extraordinárias, mas para nos unir a Cristo. E o sinal de que esta união é real são as obras de caridade. O Papa explica ainda que não se deve ficar preocupado pelo grau de devoção para consolar ou para rezar: “Não, minha irmã! O Senhor quer obras. Ele quer, por exemplo, que você não se importe de perder essa devoção de consolar uma pessoa doente a quem você vê que pode ser de alívio, fazendo com que ela sofra o seu próprio sofrimento, jejuando, se necessário, para lhe dar comida… É nisto que consiste a verdadeira união com a vontade de Deus”! Concluindo seu pensamento afirma: “O que mede a perfeição das pessoas é seu grau de caridade, não a quantidade de dados e conhecimentos que elas podem acumular”.

Da oração à fraternidade

A oração fez de Santa Teresa “uma mulher excepcional, uma mulher criativa e inovadora”. A partir da oração descobriu o ideal de fraternidade. Um ideal que ela queria realizar nos conventos que fundou; um ensinamento que hoje também é válido quando há “pequenas brigas” entre os conventos.

Como a Doutora da Igreja, vivemos em “tempos difíceis”, tempos não fáceis, que precisam dos “amigos fiéis de Deus”, amigos fortes. A grande tentação é ceder à desilusão, à resignação, ao triste e infundado presságio de que tudo vai dar errado. O pessimismo estéril, o pessimismo de pessoas incapazes de dar vida. Um pessimismo que tranca as pessoas em seus refúgios. Por outro lado, a oração nos abre, nos permite provar que Deus é grande, que Ele está além do horizonte, que Deus é bom, que Ele nos ama e que a história não escapou de Suas mãos. Podemos caminhar por caminhos escuros (cf. Sl 23,4), não tenhais medo se o Senhor está convosco, Ele não cessa de caminhar ao nosso lado e de nos conduzir ao objetivo que todos desejamos: a vida eterna.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".