O amor é a atitude mais sublime do discípulo de Jesus

“Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei. Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos” (João 15,12-13).
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Se a Palavra de Deus nos diz que para permanecer n’Ele precisamos amar uns aos outros, é porque precisamos amar uns aos outros. Buscamos aqueles meios ordinários e extraordinários de amar a Deus: a oração, a comunhão, a adoração, permanecer na presença de Jesus adorando em Espírito e Verdade, até choramos porque amamos tanto a Jesus. Mas não basta as nossas orações; e não podemos deixá-las de fazer, temos até que caprichar mais, intensificar mais, porque, sem a oração, não amamos a Deus nem a ninguém; sem a oração, o nosso coração não se converte, não se inclina; sem a oração não exorcizamos o orgulho, a vaidade, a soberba e o egoísmo que há dentro de nós.

A oração alarga o coração. Mas, por favor, não vivamos a hipocrisia da oração. Não basta dizer que ora, porque se não ama, não entendemos nada dos mandamentos do Senhor. “Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros”. De que forma? Da forma que Ele nos amou; amou os inimigos, amou quem não O queria bem; fez bem a quem Lhe fez mal; do mesmo jeito que amou Pedro, amou Judas, amou os que O abandonaram, lavou os pés dos Seus, teve toda a paciência, longanimidade e morreu dando o supremo gesto de amor: “Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem” (Lucas 23,34).

Esse é o distintivo do discípulo de Jesus: o amor ao próximo acima de tudo!

Amor conjuga com perdão, com reconciliação, com cuidado e respeito para com o outro. Amor nunca se conjuga com o mal; falar mal, querer mal, desejar e fazer mal para o outro. O amor é a atitude mais sublime de um discípulo de Jesus. Não é aquele que canta para Jesus, que fala do nome de Jesus, que proclama o nome de Jesus; não é aquele que sabe tudo a respeito de Jesus, sabe os dogmas, os mandamentos, as Leis, sabe tudo de Deus, porque Deus não é teoria, Ele é vida e a vida de Deus é amor.

Se queremos permanecer em Deus, não há outro caminho, a não ser a via do amor, uma via dolorosa e exigente, é uma via de sacrifícios, mas não há sacrifício mais sublime e belo do que o sacrifício de amar. E não é amar quem nos ama, porque isso não precisa ser cristão para amar, até os animais o fazem. É o amor universal, amor caritas, amor que se estende para todos.

É claro que não posso deixar de amar os meus, pois, do contrário, não vou amar ninguém. E a ninguém podemos ficar devendo nada, a não ser o amor que precisa ser dado a cada dia. Este é o distintivo do discípulo de Jesus: o amor ao próximo acima de tudo!

Deus abençoe você!

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".