Vaticano: crise climática tem um rosto humano, são necessárias respostas coletivas

“Não se trata de questões meramente políticas ou econômicas, mas de uma questão de justiça que não pode mais ser ignorada ou adiada, é uma obrigação moral para com as gerações futuras". Palavras do Observador Permanente da Santa Sé junto às Nações Unidas em Genebra
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O Arcebispo Ivan Jurkovič, Observador Permanente da Santa Sé junto às Nações Unidas em Genebra, participou do Colóquio Internacional sobre Migrações, realizado pela Organização Internacional para as Migrações. Durante a sessão de terça-feira (25) afirmou: “A mudança climática e suas consequências sobre as migrações têm ‘um rosto humano’ e colocam questões às quais toda a comunidade internacional deve responder de forma “coletiva e coordenada”. O tema do encontro, “muito caro ao Papa Francisco”, sublinhou o prelado foi: “Rumo à Cop26: Acelerar as ações para enfrentar a migração e o deslocamento no contexto das mudanças climáticas e ambientais”.

Ouça e compartilhe!

Pandemia e Clima

O Arcebispo então fez uma comparação entre a pandemia da Covid-19 e a crise climática: enquanto a primeira “chegou inesperadamente”, disse, a segunda “vem se desenvolvendo há anos; no entanto, não foi abordada até recentemente”, de modo que agora “suas consequências paralisantes já são uma realidade para milhões de pessoas em todo o mundo”. Mas é essencial lembrar uma coisa, reiterou o prelado: “A mudança climática ocorre em toda parte, mas a capacidade de responder e se adaptar a ela varia muito”. Os mais afetados “de modo desproporcional” são “os mais pobres e os mais vulneráveis”. Neste sentido, portanto, “é fundamental reconhecer que a crise climática tem um rosto humano”, o de “pessoas forçadas a fugir de seu ambiente natural por ter se tornado inabitável”.

Desacordo com a Casa Comum

Entre outras coisas, Dom Jurkovič acrescentou, este “pode parecer um processo inevitável da natureza”, mas na realidade “a deterioração do clima é muitas vezes o resultado de escolhas erradas, atividades destrutivas, egoísmo e negligência que colocam a humanidade em desacordo com a Criação, nossa casa comum”. Por sua “própria natureza e magnitude”, disse o Observador Permanente, “a realidade humana da migração” e “a questão da mudança climática” exigem “uma resposta coletiva e coordenada da comunidade internacional”. Nenhum Estado, de fato, “pode administrar as consequências sozinho”, e todos os países “estão de algum modo afetados”.

Portanto, tendo em vista a 26ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudança Climática, programada para Glasgow, Reino Unido, em novembro próximo, o Arcebispo observou que “é imperativo abordar a dimensão humana da mudança climática sem mais delongas”, porque – como o Papa Francisco lembrou recentemente – “há uma dívida ecológica que devemos à própria natureza, bem como aos povos e países afetados pela degradação ambiental causada pelo homem e pela perda da biodiversidade”.

Não se trata, portanto, de “questões meramente políticas ou econômicas”, destacou ainda o Observador Permanente, “mas de questões de justiça, uma justiça que não pode mais ser ignorada ou adiada”, pois envolve “uma obrigação moral para com as gerações futuras”. A seriedade com que respondemos a estas perguntas”, concluiu o prelado, “moldará o mundo que deixaremos para nossos filhos”.

Vatican News

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".