Egito. Cristãos e muçulmanos celebram juntos o nascimento da Virgem Maria

No mosteiro pode-se experimentar durante todo o ano a devoção à Mãe de Jesus por parte dos fiéis muçulmanos, que fazem peregrinações ao Santuário para rezar e invocar graças especialmente durante o mês de agosto, durante os 15 dias de festividades que precedem e seguem a solenidade litúrgica da Dormição de Maria. O local original de culto, esculpido na rocha, acolhe celebrações litúrgicas apenas três vezes ao longo do ano, por ocasião de três solenidades do calendário litúrgico copta. As celebrações em homenagem ao nascimento da Virgem Maria começam no final de maio e duram uma semana
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Ouça a reportagem e compartilhe!

Também este ano, um grande número de egípcios, tanto cristãos coptas como muçulmanos – embora se atendo às normas em vigor para combater os contágios da Covid-19 -, puderam chegar ao Mosteiro mariano de Jabal al Tayr, na Diocese copta ortodoxa de Samalut, na província de Minya, para participar da semana de festejos e celebrações em memória do nascimento da Virgem Maria.

As medidas anti-covid, limitando em torno do Santuário a presença de bancas, tendas de negócios e pontos para venda de comida, tornaram este ano mais sóbria e espiritualmente intensa a participação neste gesto de devoção popular.

A igreja da Virgem Maria em Jabal al Tayr (“Colina dos pássaros”) foi fundada por volta de 328 d.C. pela Rainha Helena, mãe do Imperador Constantino, e é um dos santuários mais amados e frequentados pelos cristãos coptas.

Santuário mariano é etapa do “Caminho da Sagrada Família”

O local original de culto, esculpido na rocha, acolhe celebrações litúrgicas apenas três vezes ao longo do ano, por ocasião de três solenidades do calendário litúrgico copta.

O Santuário mariano é também uma das etapas mais significativas do “Caminho da Sagrada Família”, o itinerário que une lugares pelos quais passaram, segundo tradições milenares, Maria, José e o Menino Jesus durante sua permanência no Egito, para onde tiveram que emigrar, saindo da Palestina, para fugir dos maus desígnios de Herodes.

De acordo com as tradições locais, após chegar à cidade de Samalut, a Sagrada Família atravessou o Nilo para o leste, exatamente onde o Mosteiro está atualmente localizado, e se estabeleceu na gruta que está incorporada à antiga igreja.

Devoção à Mãe de Jesus por parte dos fiéis muçulmanos

A “colina dos pássaros” onde fica o mosteiro também é conhecida como “Monte da Palma” porque, segundo uma tradição local, enquanto o Menino Jesus com Maria e José estavam perto da colina, um grande fragmento de rocha se desprendeu dela, ameaçando atingi-los. Então o Senhor Jesus estendeu sua mão, parando a rocha rolante, e a palma de sua mão ficou impressa naquela rocha.

“As celebrações realizadas anualmente no Santuário em homenagem ao nascimento da Virgem Maria começam no final de maio e duram uma semana.”

No mosteiro de Jabal al Tayr pode-se experimentar durante todo o ano a devoção à Mãe de Jesus por parte dos fiéis muçulmanos, que fazem peregrinações ao Santuário para rezar e invocar graças especialmente durante o mês de agosto, durante os 15 dias de festividades que precedem e seguem a solenidade litúrgica da Dormição de Maria.

(Com Fides)

Vatican News

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".