Cresçamos na nossa relação e intimidade com Deus

“Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens, só para serdes vistos por eles” (Mateus 6,1).
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Na sociedade em que estamos, onde tudo tem que ser mostrado e propagado, onde as pessoas precisam muito de likes, precisam ser reconhecidas por aquilo que estão fazendo, nós, muitas vezes, perdemos a direção evangélica da vida, que é a gratuidade.

Aquilo que fazemos não é para sermos reconhecidos, para sermos louvados, exaltados nem glorificados. De forma alguma, aquilo que fazemos é para Deus que realizamos.

Você pode fazer uma oração pública ou nas suas redes sociais, mas não pode deixar de fazer a sua oração sublime. E qual é a oração sublime? É a oração particular, reservada, aquela que ninguém precisa ver nem saber o que você faz; é aquela intimidade e particularidade que você tem com Deus, que é só sua.

É dela que nos abastecemos e nos alimentamos, a partir dela podemos levar orações para todos os lugares. Agora, quem só reza em público, é para o público que importa, e não para Deus; mas quem, realmente, se comunica com Deus, comunga do coração de Deus, busca-O na sua intimidade e no silêncio, busca Deus no seu momento particular que ninguém vê.

Precisamos fazer sacrifícios, penitências, precisamos jejuar para crescermos na intimidade com Deus

Busquemos o nosso interior, busquemos o nosso quarto mais íntimo, busquemos o nosso lugar mais sagrado, pois é ali que Deus está. Temos que dar exemplos de caridade para este mundo, temos que mostrar para o mundo que precisamos dar esmola, precisamos cuidar dos mais pobres e necessitados, mas não façamos disso uma vitrine ou uma ocasião para nos expormos.

Que a caridade praticada seja testemunho, mas a caridade sublime é aquela que fazemos sem ninguém saber. Façamos a caridade com mais intensidade, gosto e não sigamos a mentalidade do mundo, que é a mentalidade da publicidade, de propagar tudo o que fazemos para que as pessoas vejam.

A mística da relação com Deus é que tudo o que fazemos seja para Ele. Que a intensidade da nossa vida seja vivida, sobretudo, na particularidade do nosso encontro com o Senhor. Precisamos fazer sacrifícios, penitências, precisamos jejuar, mas não para nos mostrarmos ou para parecer que somos heróis. É para crescermos na nossa relação e intimidade com Deus. Não é nunca para chamar a atenção sobre nós.

Que aprendamos o sentido da gratuidade, da relação íntima e profunda com Deus. A vida vai fazer transparecer na transformação interior, nos gestos e nas atitudes, aquilo que vivemos na intimidade. Ou seja, busquemos a oração, o jejum, o sacrifício, a penitência, a caridade e o amor para com o próximo sem fazermos disso publicidade ou propaganda, mas que isso seja, de verdade, um ato do nosso amor para com Deus.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

 

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".