Holocausto Cigano: a tragédia que o mundo esqueceu

No 77° Dia Internacional em Memória do Holocausto Cigano, na Segunda Guerra Mundial recordamos as palavras de amor e do pedido de perdão do Papa Francisco ao povo cigano na sua viagem à Romênia em 2019. Povo que, infelizmente, ainda sofre pelo preconceito e discriminação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Hoje, 2 de agosto memora-se o 77° Dia Internacional em Memória do Holocausto Cigano. A noite de 2 a 3 de agosto de 1944 é tristemente lembrada pelo infame assassinato de mais de 4.300 membros das minorias conhecidas como Sinti e Rromaníes, variantes culturais do mesmo grupo étnico. Esta noite é referida em alemão como “Zigeunernatch”, “Noite dos Ciganos”.

Ouça e compartilhe!

Perseguição e discriminação

Quando ouvimos alguém falar do Holocausto, é corriqueiro associarmos tal ideia com os seis milhões de judeus mortos por este genocídio que marcou a história da humanidade. Entretanto, não foram apenas eles os que sofreram com a perseguição nazista. Os povos Romani (ciganos) também foram alvo de perseguições, discriminação e massacres, muitas delas sem sequer terem sido feitas nos campos de concentração, mas sim pelos próprios oficiais nazistas, tamanho era o ódio que havia pelos ciganos. Estima-se que, aproximadamente, 500 mil ciganos tenham sido executados durante o período do “Porrajmos”, expressão utilizada pelos Romani para definir a tragédia. Tal perseguição teve início em 1935, com a promulgação das Leis de Nuremberg, que vedavam o casamento de ciganos com arianos, bem como de decretos que ordenavam o envio de ciganos para campos de concentração, para serem esterilizados. Sem dúvidas, a guerra e o extermínio de judeus contribuíram para a radicalização dentre as lideranças nazistas sobre a questão cigana.

Papa Francisco pede perdão

Infelizmente ainda é clara a intensidade do preconceito e da discriminação que os ciganos sofrem até hoje. Em 2 de junho de 2019, durante sua viagem apostólica à Romênia, o Papa Francisco teve um encontro especial com grupos de ciganos. Na ocasião o Pontífice recordou: “É na indiferença que se alimentam preconceitos e fomentam rancores. Quantas vezes julgamos, imprudentemente, com palavras que doem, com atitudes que semeiam ódio e criam distâncias”.

Pedindo perdão aos ciganos por todas as vezes que os discriminamos, disse:

“Em nome da Igreja, peço perdão, ao Senhor e a vocês, por todas as vezes que, ao longo da história, os discriminamos, maltratamos ou os consideramos de forma errada, com o olhar de Caim em vez do de Abel, e não fomos capazes de os reconhecer, apreciar e defender na sua peculiaridade”

O Papa concluiu o seu encontro com o convite a “caminhar juntos, lá onde estiverem, na construção dum mundo mais humano, superando medos e desconfianças, deixando cair as barreiras que nos separam uns dos outros, alimentando a confiança recíproca na busca, paciente e nunca vã, da fraternidade. A esforçar-se por caminhar juntos com dignidade: a dignidade da família, a dignidade de ganhar o pão de cada dia e a dignidade da oração. Sempre olhando para frente”.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

banner
INFORMATIVO
banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".