O amor a Deus completa a nossa vida

“Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento!” (Mateus 22,37).
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Os fariseus se aproximaram de Jesus porque Ele havia calado os saduceus, e os fariseus também queriam colocar Jesus numa situação difícil, por isso perguntaram a Ele: “Mestre, qual é o maior mandamento?”. Eles veem que o Mestre não é como eles, porque os fariseus estão, a todo tempo, nos templos, nas sinagogas, estão ocupados com os deveres religiosos. Para os fariseus, tudo é Deus; para os fariseus, o olhar humano é somente para Deus. Se estivermos aqui, na presença de Deus, e alguém morrer, problema de quem morreu; se alguém estiver passando necessidade, problema de quem está passando necessidade, o importante é que estejamos em Deus.

A religião de Jesus não é a religião dos fariseus; e nós, seguidores de Jesus, não podemos viver uma religião farisaica. O culto a Deus é essencial e fundamental, e ninguém vai viver uma relação com Deus se não O amar sobre todas as coisas, se não colocá-Lo acima de qualquer coisa, se não O amar com todo o coração, com todo o entendimento, com toda alma e todo ser.

O amor a Deus não pode nos alienar, pelo contrário, o amor a Deus é aquele que nos torna plenos; o amor a Deus nos aproxima d’Ele, e é por isso que nós temos que amá-Lo, e nossa missão não pode ser maior do que amar a Deus.

Quando amo a Deus de todo o meu coração, o amor d’Ele está em mim

É impossível viver a religião do amor a Deus se não tivermos a mesma intensidade no amor ao próximo e a si mesmo. O segundo mandamento é semelhante: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Então, temos que nos amar, temos que cuidar de nós, temos que ser responsáveis pela nossa vida. Nada de viver um despojamento irresponsável em que não cuidamos da nossa salvação, não cuidamos da nossa saúde, não cuidamos de nós como pessoa humana. Quando não nos cuidamos, não vamos cuidar do nosso amor a Deus, e não vamos amar o próximo com a intensidade do amor com que ele tem que ser amado.

Não podemos relativizar, relaxar em nome do amor a Deus. Não podemos ser uma pessoa relapsa, porque estamos evangelizando, pregando, adorando e rezando muito.

O amor a Deus nos leva a ser pessoas equilibradas, pois o desequilíbrio na vida cria situações desproporcionais e nos faz pessoas não verdadeiramente tementes ao Senhor. Quando amamos a Deus de todo o coração, o amor d’Ele está em nós, e é este amor que levamos ao nosso próximo, ao nosso irmão, é com este amor que cuidamos de nós.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

 

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

banner
INFORMATIVO
banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".