Beata Ingrid Elofsdotter

Pertencente à nobre família Elofsdotter, Ingrid nasceu no século XIII. Era neta do rei Canuto da Suécia. Sua educação era segundo sua condição social, mas profundamente cristã. Ingrid passou os primeiros anos de sua vida sendo fervorosamente piedosa. Ainda na adolescência, como era o costume da época, foi obrigada pelos pais a casar-se.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Ficou viúva muito jovem, assim saiu numa longa peregrinação até à Terra Santa, onde seu amor pelo Senhor tornou-se cada vez maior. Da Palestina, ela seguiu até Roma e, em sequência, para Santiago de Compostela. Em Roma, pediu a autorização do Papa para fundar um mosteiro de religiosas.

Retornando para a Suécia, Ingrid desejava dedicar-se plenamente à uma vida de oração e penitência. O demônio muito astuto tramava contra sua reputação. Mas, a beata cada vez mais era bem vista e recebida pelo povo.

Auxiliada por generosos benfeitores construiu um mosteiro sob a Regra de São Domingos, onde juntamente com um grande número de virgens dedicou-se à contemplação e às santas austeridades.

Faleceu em 2 de setembro de 1282. Em consequência de sua santidade e seus muitos milagres, sua fama se espalhou por todas as localidades.

No ano de 1414, o bispo Canuto Bosson solicitou à Santa Sé autorização para abrir o processo de sua canonização. Devido a Pseudo Reforma o processo foi paralisado. Durante a Reforma, o Mosteiro de São Martinho acabou sendo destruído, assim como as relíquias da Beata, e sua canonização nunca chegou a uma formalização. Mas, ela foi inserida no Martirológio Romano e sua memória é celebrada no dia de seu falecimento.

Beata Ingrid Elofsdotter, rogai por nós!

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

banner
INFORMATIVO
banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".