Capelão de hospital: ação dos anjos é fundamental na hora da morte

Sacerdote testemunhou intervenções angélicas incríveis instantes antes do falecimento de vários enfermos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Sacerdote da arquidiocese de Vancouver, no Canadá, o pe. John Horgan lançou o livro “His Angels at Our Side” (Os Anjos d’Ele ao nosso lado), que destaca o foco da missão dos anjos na salvação das pessoas e afirma que a ação angélica no momento da nossa morte é fundamental.

O pe. John é capelão de um hospital e testemunhou a ação dos anjos junto às pessoas que partem deste mundo:

“Os anjos realizam a sua custódia de várias maneiras. Na minha vida de sacerdote e como capelão de hospital, eu fui testemunha da presença dos santos anjos, em especial na atenção aos doentes e moribundos”.

Ele conta um caso concreto:

“Uma vez acompanhei um homem que não era católico, mas a sua primeira esposa sempre foi muito comprometida com a fé. Mesmo depois de que o casamento deles terminou, ela nunca deixou de rezar pelo marido. Ele tinha prometido que se batizaria antes de morrer, e ela nunca se esqueceu disso. A vida foi difícil depois que ele a deixou, mas ela perseverou na confiança em Deus e criou os filhos na fé”.

Quando o homem descobriu que estava com câncer, acabou sozinho, porque a segunda esposa o abandonou. Mas a primeira ficou do seu lado e cuidou dele no hospital. Incentivados pela mãe, seus filhos também foram até lá e se reconciliaram com ele.

“Ela fez todo o possível para trazer consolo aos seus últimos dias e para encorajá-lo a uma relação melhor com Deus”.

Ainda assim, o homem não queria se batizar. A esposa perseverava na oração e o confiava aos anjos da guarda.

“Ela me dizia: ‘Padre, estou rezando ao anjo da guarda dele e ao meu. Tenho certeza de que ele vai ser batizado’”.

Na manhã de um domingo, o padre visitou o homem no hospital e lhe perguntou:

“Quer ser batizado e aceitar a graça de Cristo? Você já sabe que nosso Senhor está chamando você há anos e viu a evidência do amor d’Ele na fidelidade e na devoção da sua esposa”.

O homem respondeu:

“Sim, padre, eu sei o que fiz. E sei como tenho vivido. Me arrependo de tudo e peço o perdão do Senhor. Quero ser batizado”.

O sacerdote prossegue, relatando que, naquele momento, enquanto preparava a água benta e os santos óleos para o batismo, escutou em seu interior uma voz que lhe dizia com urgência: “Agora!”.

Imediatamente, o padre pegou a água e a verteu sobre a fronte do homem, já moribundo, pronunciando as palavras do batismo: “Eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo“.

Antes de pronunciar o “amém”, o homem faleceu.

“Não houve sofrimento, ele simplesmente fechou os olhos e partiu. Tinha ido para casa, com Deus. As enfermeiras e a família estavam de boca aberta, mas o que eu mais me lembro é do olhar da esposa. Com sua última respiração, ele tinha aceitado a graça que a esposa tinha implorado para ele durante anos”.

O pe. Horgan narra vários outros casos envolvendo pessoas à beira da morte.

“Uma e outra vez, ao atender os moribundos e falar com eles sobre o céu, experimentei que a menção dos anjos traz consolo e paz, inclusive aos que estavam distanciados da Igreja. Em muitos casos, os santos anjos permaneceram na sua mente e no seu coração como uma figura conhecida pela primeira vez na infância, uma devoção aprendida nos joelhos das mães, em especial mansidão e sabedoria”.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

finados3
banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".