O Papa ao novo Patriarca armênio: próximo aos sofrimentos da Síria e do Líbano

Na carta entregue ao novo patriarca, o Santo Padre afirma que foi informado sobre sua eleição e se une na alegria dos filhos e filhas dessa Igreja e da Igreja universal que acompanharam com a oração os Bispos reunidos primeiro no Líbano, e nesses dias, em Roma, no Pontifício Colégio Armênio, no Sínodo dos Bispos da Igreja Patriarcal da Cilícia dos Armênios.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O Papa Francisco concedeu a Comunhão Eclesiástica ao novo patriarca da Cilícia dos Armênios, dom Raphaël Bedros XXI Minassian, eleito na última quarta-feira (23/09), no Sínodo dos Bispos da Igreja Patriarcal da Cilícia dos Armênios.

Na carta entregue ao novo patriarca, o Santo Padre afirma que foi informado sobre sua eleição e se une na alegria dos filhos e filhas dessa Igreja e da Igreja universal, que acompanharam com a oração os Bispos reunidos primeiro no Líbano, e nesses dias, em Roma, no Pontifício Colégio Armênio, no Sínodo dos Bispos da Igreja Patriarcal da Cilícia dos Armênios. “Cada membro do povo santo de Deus católico armênio esperava o seu Pastor, para ser conhecido por ele, chamado pelo nome e conduzido pela palavra forte e afável do Evangelho”, ressalta Francisco.

Segundo o Papa, “a eleição de Sua Beatitude realizou-se num momento em que as pessoas são particularmente provadas por vários desafios. Penso nos sofrimentos da Síria e do Líbano, países onde a Igreja da Cilícia dos Armênios está presente, e também na pandemia, que ainda está longe de ser superada em muitas partes do mundo. Todos os homens de boa vontade, especialmente os cristãos, são chamados a estar próximos e a se mostrar irmãos, vencendo a indiferença e a solidão. Mesmo sob os dilúvios da história e nos desertos de nossa época, podemos e devemos caminhar em direção ao Crucifixo que Ressuscitou”.

“Conhecemos o povo armênio como um especialista em sofrimento, pelas muitas provações ao longo dos mais de 1.700 anos de história cristã, mas também por sua capacidade inexaurível de florescer e dar fruto, através da santidade e sabedoria de seus santos e mártires, a cultura de seus médicos e pensadores, a arte que sabe gravar o sinal da cruz na rocha como árvore da vida, testemunho da vitória da fé sobre todas as forças adversas do mundo”, ressalta o Pontífice na carta.

Francisco recorda que a Igreja que sua Beatitude Raphaël Bedros XXI Minassian “foi chamado para guiar está plenamente inserida nas vicissitudes do povo armênio, preservando a sua memória e tradições, e ao mesmo tempo profundamente ligada ao Sucessor do Apóstolo Pedro. Confio-lhes o cuidado das novas gerações, a promoção das vocações, a sábia harmonia que vocês devem ser capazes de encontrar entre as diferentes instâncias de sua comunidade, tais como as Irmãs da Imaculada Conceição, a Congregação Mekhitarista e o Instituto do Clero Patriarcal de Bzommar como muitos de seus filhos e filhas que se formaram e vivem na Igreja latina, mas estão bem cientes de sua pertença armênia”.

A Santíssima Mãe de Deus e os santos da vossa tradição sejam o vosso guia, exemplo e intercessão, em particular São Gregório de Narek, que tive a alegria de proclamar doutor da Igreja: que nos mostrem sobretudo o caminho da fé Fraternidade e diálogo ecumênico com os irmãos da Igreja Apostólica Armênia. O Papa exorta a olhar para o exemplo da Virgem Maria e dos santos, como São Gregório de Narek que ele teve a alegria de proclamar doutor da Igreja. “Que eles nos indiquem o caminho da fraternidade autêntica e do diálogo ecumênico com os irmãos da Igreja Apostólica Armênia”, ressalta.

Mariangela Jaguraba – Vatican News

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural: