Os Papas e o Cristo de braços abertos

Não podemos ficar “de braços cruzados”, mas abrir os braços, como o Cristo Redentor: de Pio XII a Francisco, o símbolo do Brasil também esteve presente nos discursos dos Papas como metáfora de acolhimento da Boa Nova.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Pio XII, Paulo VI, João Paulo II, Bento XVI e Francisco: cinco Pontífices e inúmeras referências à estátua que está completando 90 anos. Todavia, apenas um Papa viu o monumento de perto e foi São João Paulo II. Francisco chegou perto, ao sobrevoá-lo por ocasião de sua visita ao Rio de Janeiro em julho de 2013.

Mas a beleza e a majestade deste símbolo inspiraram profundas menções em vários discursos e mensagens dos Papas ao povo brasileiro, dos quais selecionamos alguns trechos:

Pio XII – Discurso ao novo embaixador do Brasil para apresentação de suas credenciais em 3 de maio de 1948:

“O povo brasileiro, que a Cristo, Principe de paz e do amor, erigiu no alto do Corcovado um monumento, qual não se poderia imaginar nem mais belo, nem mais comovente, deve estar pronto a resistir com todas as suas fôrças, com inconcussa vigilância, com inabalável firmeza à patente ou dissimulada invasão dos inimigos de Cristo, destruidores dos valores cristãos e da sã e inviolável liberdade da consciência humana.”

Paulo VI – Radiomensagem à nação brasileira pelo IV centenário do Rio de Janeiro em 1º de janeiro de 1965:

“São Sebastião do Rio de Janeiro, cidade velha, mas sempre moderna, está hoje em festa a comemorar o quarto centenário da sua existência. Fiel à Fé Católica desde o seu nascimento, levantou um monumento a Cristo Redentor por cima das pedras de Gávea, no Monte do Corcovado. Na noite de 12 de Outubro de 1931, Marconi, servindo-se das maravilhas da técnica, do Porto de Génova, montado sobre o «Eletra», acendia a iluminação desse monumento. E aí está a Imagem do Senhor, de braços abertos, a proteger essa bela cidade e, com ela, todo o Brasil.”

João Paulo II, visita à estátua do Cristo Redentor no morro do Corcovado em 2 de julho de 1980:

“Redentor! Os braços abertos, abraçam a cidade aos seus pés! Feita de luz e cor e, ao mesmo tempo, de sombras e escuridão, a cidade é vide e alegria mas é também uma teia de aflições e sofrimentos, de violência e desamor, de ódio, de mal e de pecado. Radiosa á luz do sol, silhueta luminosa suspensa no ar à noite, o Redentor, em pregação muda mas eloquente, aqui continua a proclamar que “Deus é luz”(1Jo 1,7), “é amor” (1Jo 1,7). Um amor maior do que o pecado, do que a fraqueza e do que a “caducidade do que foi criado” (cf. Rm 8, 20), mais forte do que a morte). (…)

Símbolo do amor, apelo à reconciliação e convite à fraternidade, Cristo Redentor aqui proclama continuamente a força da verdade sobre o homem e sobre o mundo, da verdade contida no mistério da sua Encarnação e Redenção.”

Bento XVI, mensagem para a JMJ do Rio de Janeiro de 18 de outubro de 2012

“Seus braços abertos são o sinal da acolhida que o Senhor reservará a todos quantos vierem até Ele, e o seu coração retrata o imenso amor que Ele tem por cada um e cada uma de vós. Deixai-vos atrair por Ele! Vivei essa experiência de encontro com Cristo, junto com tantos outros jovens que se reunirão no Rio para o próximo encontro mundial! Deixai-vos amar por Ele e sereis as testemunhas de que o mundo precisa.”

Francisco, mensagem pelos 450 anos de fundação do Rio de Janeiro em 1º de janeiro de 2015:

“Hoje, se pudéssemos nos colocar na perspectiva do Cristo Redentor, que do alto do Corcovado domina a geografia da cidade, o que é que nos saltaria aos olhos? Sem dúvida, em primeiro lugar, a beleza natural que justifica seu título de Cidade Maravilhosa; porém, é inegável que, do alto do Corcovado, percebemos igualmente as contradições que mancham esta beleza. Por um lado, o contraste gerado por grandes desigualdades sociais: opulência e miséria, injustiças, violência… Por outro, temos o que poderíamos chamar de cidades invisíveis, grupos ou territórios humanos que possuem registros culturais particulares. Às vezes parece que existem várias cidades, cuja coexistência nem sempre é fácil numa realidade multicultural e complexa. Mas, diante deste quadro, não percamos a esperança! Deus habita na cidade! Jesus, o Redentor, não ignora as necessidades e sofrimentos de quantos estão aqui na terra! Seus braços abertos nos convidam a superar estas divisões e construir uma cidade unida pela solidariedade, justiça e paz.

E qual seria o caminho a seguir? Não podemos ficar “de braços cruzados”, mas abrir os braços, como o Cristo Redentor.”

Bianca Fraccalvieri

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

finados3
banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".