Eucaristia no centro da Plenária dos bispos estadunidenses em novembro

A compreensão do Sacramento da Eucaristia é escassa entre os católicos dos Estados Unidos. De fato, 69% deles não acreditam na presença real de Cristo na Eucaristia. Esse fator, somado ao impacto da pandemia na prática religiosa, levou os bispos a proporem um "Reavivamento Eucarístico".
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Ouça e compartilhe!

O sinal verde para a convocação de um Congresso Eucarístico Nacional em 2024 e a aprovação de um importante documento sobre a Eucaristia: estes serão os temas centrais da próxima Assembleia Plenária de outono da Conferência Episcopal dos Estados Unidos (USCCB), marcada para se realizar de 15 a 18 de novembro, em Baltimore. Pela primeira vez em dois anos, a sessão será presencial: por conta da Covid-19, de fato, a primeira plenária de 2020 foi cancelada, enquanto as duas seguintes foram realizadas on-line.

Durante o encontro, os prelados analisarão o Eucaristhic Revival (“Reavivamento Eucarístico”), o plano trienal para um “renascimento Eucarístico” apresentado na plenária de junho pelo presidente da Comissão Episcopal para a Evangelização e a Catequese. A iniciativa intitulada Eucharistic Revival: My Flesh for the Life of the World (“Reavivamento Eucarístico: Minha Carne para a Vida do Mundo”), decorre dos resultados de um estudo apresentado em 2019 pelo Pew Research Center, que demonstra a escassa compreensão deste Sacramento que é central na vida de cada cristão. De fato, 69% dos católicos estadunidenses não acreditam na presença real de Cristo na Eucaristia. Para convencer ainda mais os bispos da necessidade de promover um “renascimento” eucarístico entre os fiéis, foi também o impacto que a pandemia teve na prática religiosa.

O plano, que terá início em 2022, compreende três fases, começando com a formação dos “missionários eucarísticos”, com a missão de catequizar os fiéis sobre o significado autêntico da Eucaristia e de animar as iniciativas eucarísticas nas paróquias. O momento culminante do triênio será em 2024, quando será convocado um Congresso Eucarístico Nacional que se insere nos objetivos fixados pela Conferência Episcopal no plano de ação pastoral para o quadriênio 2021-2024.

Em primeiro plano durante os trabalhos, também a aprovação da Declaração sobre o significado da Eucaristia na vida da Igreja, preparada pela Comissão Episcopal para a Doutrina da Fé. Este documento incluirá na terceira parte uma seção sobre “Coerência eucarística”, ou seja, sobre a “dignidade” para o acesso à Comunhão em referência a todos os fiéis que ocupam cargos públicos mas apoiam legislação contrária aos ensinamentos da Igreja, por exemplo em matéria do aborto. O assunto foi tema de um caloroso debate durante a última sessão plenária de junho, em que alguns bispos haviam expresso perplexidade sobre a conveniência de um documento formal sobre o assunto, por medo de criar divisões na Igreja e instrumentalização política.

Outro ponto importante a ser discutido é o processo sinodal 2021-2023 lançado pelo Papa Francisco em 10 de outubro passado e que se concluirá com o Sínodo dos Bispos sobre a sinodalidade em Roma, mas também a pastoral familiar, liturgia e pastoral social. Durante os trabalhos, os bispos elegerão os presidentes e diretores de algumas comissões e órgãos e aprovarão o orçamento da USCCB.

A Assembleia será aberta pelo núncio apostólico nos Estados Unidos, Dom Christophe Pierre, e pelo presidente da USSCB, Dom José H. Gomez.

Lisa Zengarini – Cidade do Vaticano

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural: