O amor de Deus direciona todos os outros amores

“Portanto, qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo!” (Lucas 14,33).
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A Palavra de Deus, hoje, nos apresenta algumas condições para o discipulado, para o seguimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Veja que não é fácil seguir Jesus, não é fácil porque, primeiro, nós somos muito apegados às coisas, às pessoas, ao que temos e ao que possuímos. Quem tem muito é apegado ao muito que tem; quem tem pouco faz do seu pouco muito, se agarra ao que tem e não vive sem aquilo que tem.

A questão do “sermos apegados” é que o apegado nos torna presos e reféns, até as pessoas nos tornam reféns delas. Veja que é diferente uma coisa da outra, uma coisa é nós amarmos e o amor nós nunca podemos renunciar, ninguém pode renunciar ao amor do seu pai e da sua mãe, o marido não pode renunciar o amor da sua mulher, a mulher não pode renunciar o amor do seu marido, os pais dos seus filhos e assim por diante. É o vínculo de amor belo, profundo, divino e sagrado que nos une, agora o que estraga é o apego, é aquela forma, muitas vezes, cega que nós vivemos as relações humanas; criamos uma dependência que, muitas vezes, endeusamos aquelas pessoas ou aquelas coisas que nós temos.

É o amor divino que direciona todo e qualquer amor humano

Aprenda que todo apego é doentinho e todo desapego é um desprendimento, é uma libertação e nos torna pessoas saudáveis, livres para amarmos e seguirmos a Jesus. Sim, nos tornamos livres para amar e, muitas vezes, o apego doentio não nos permite amar, mas nos aprisionar e aprisionarmos as pessoas ou as coisas a nós.

Uma mãe e um pai não criam filhos para si, o amor faz você criar seus filhos para que eles sigam a vida, para que eles, assim como você formou uma família, também possam formar a família deles. Muitas vezes, a mãe prende o filho, prende a sua filha e cria aquela situação de uma dependência doentia, onde a pessoa não pode nem seguir o trajeto e o rumo da sua vida. Do mesmo jeito, às vezes, o filho ou a filha criam uma dependência do seu pai e da sua mãe que não amadurecem, não conseguem andar com as suas próprias pernas.

Temos sempre que cuidar dos nossos, mas não com apego, e sim como muito amor; e para que o amor seja autêntico é preciso o desapego, é preciso saber caminhar com as próprias pernas, inclusive para amar Jesus sobre todas as coisas.

Se alguém vive amarrado a qualquer situação, não consegue mesmo olhar para Ele ou ser todo d’Ele. Talvez, você me pergunte assim: “Jesus está me mandando largar os meus?”. Não! Jesus está mandando você cuidar melhor dos seus. E como é que nós cuidamos melhor dos nossos? Amando a Deus sobre todas as coisas porque o amor divino é que direciona todo e qualquer amor humano.

Como é que vamos cuidar das coisas que nós temos? Amando a Deus sobre todas as coisas, pois não nos prenderemos a nada deste mundo, porque é para isso que caminhamos. Achamos que o ciclo da vida é juntar, acumular e ter tudo; o ciclo da vida é passarmos e até termos as coisas, mas depois não temos nada, não ficamos com nada e não levamos nada a não ser o amor que nutrimos uns pelos outros; e o amor profundo que dedicamos a Deus.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

 

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

finados3
banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".