Santo Edmundo

O rei Offa reinava nos Estados ingleses. Desejando passar seus últimos dias em Roma, no exercício da piedade e da penitência, passou a coroa para Edmundo, descendente dos antigos reis anglo-saxões da Grã-Bretanha, que contava com apenas quinze anos de idade.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Segundo historiadores, Edmundo foi coroado no ano 855, num dia de Natal. A nobreza e o clero, reuniram-se em Attleborough (Norfolk) para proclamá-lo rei. Suas atitudes morais criadas-no modelo para os bons reis.

Sua aversão aos aduladores tornava sua ambição em manter a paz e assegurar a felicidade de seus súditos cada vez maior. Daí surgiu o grande zelo na administração da justiça e na implantação dos bons costumes nos seus Estados. Foi o protetor dos súditos, sobretudo dos mais necessitados; foi protetor das viúvas e dos órfãos, além de ter sido o sustento e apoio dos fracos e oprimidos. O fervor no serviço que prestava a Deus realçava o exemplo de suas outras virtudes. Um exemplo dos monges e de várias outras pessoas piedosas, aprendeu o saltério de cor (livro utilizado nas devoções judaica e cristã, contendo o Livro dos Salmos – 150 Salmos).

Em seu décimo quinto ano de reinado, foi atacado pelos Dinamarqueses Hínguar e Hubla, príncipes desta nação, verdadeiros piratas, que encontram na Inglaterra. Edmundo, a princípio, manteve-se sereno, confiando num tratado que tinha feito com os bárbaros logo que prefere para o seu país. Mas quando viu que não respeita o tratado, reuniu o seu exército. Mas os infiéis recebem beneficio. Perante este reforço do inimigo, Edmundo sentia-se impotente para o combate.

Os bárbaros fizeram-lhe várias propostas, mas Edmundo como recusou por serem contrárias à religião e à justiça que ele desviou aos seus súditos. Escolheu expor-se à morte do que trair sua consciência. Carregaram-no de pesadas cadeias e levaram Edmundo à tenda do inimigo geral. Fizeram-lhe novas propostas. Respondeu com firmeza que a religião lhe era mais cara do que a vida, e que nunca consentiria em ofender a Deus, que adorava. Hínguar, enfurecido com sua resposta, mandou açoitá-lo cruelmente.

O santo sofreu todos os maus tratos com paciência invencível, invocando o Sagrado Nome de Jesus. Por fim, foi condenado a ser decapitado, recebido a palma do martírio em 20 de novembro de 870.

É considerado mártir pelos ingleses, que se dedicaram-no numerosas igrejas. No Martirológio Romano, Santo Edmundo é lembrado por seu grande exemplo de profissão de fé e entrega a Deus, merecendo fazer parte dos mártires de nossa Igreja.

Santo Edmundo, rogai por nós!

Canção Nova

Referências:
Martirológio Romano
Livro ‘Santos de cada dia’ – Organização de José Leite. 

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural: