Papa pede ao Fórum da Ação Católica a alegria de evangelizar

“Que o espírito que anima todos os projetos e trabalhos seja o de ser uma ‘Igreja em saída’ que vive a doce e reconfortante alegria de evangelizar; e que isso seja notado”. Assim Francisco escreveu em uma carta ao Fórum Internacional da Ação Católica pelos seus 30 anos de fundação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O Papa Francisco escreveu uma carta por ocasião dos 30 anos do Fórum Internacional da Ação Católica. Recordando o momento de fundação deste Fórum, escreveu Francisco, inevitavelmente nos faz olhar para o passado com uma contemplação agradecida, aos sonhadores que ousaram olhar avante com esperança. E “um dos sonhadores que iniciou e encorajou a criação deste Fórum, foi o Cardeal Eduardo Pironio que com grande amor à Ação Católica e plena confiança em sua missão disse: ‘No caminho da Ação Católica houve luzes e sombras, desorientação e cansaço, o medo de ser ultrapassado pelos novos tempos e necessidades da Igreja. Creio que agora seja o momento providencial do Espírito para uma profunda renovação de seu compromisso espiritual, doutrinal, apostólico e missionário. Isto sem dúvida ajudará a realização deste Fórum, que visa abrir a outros países a fertilidade de uma experiência associativa tão rica em seus frutos e tão cheia de esperança“.

Ouça e compartilhe!

Santos da porta ao lado

Depois de citar as palavras do cardeal Pironio o Papa recordou que ele amou a Ação Católica e criou a vocação leiga missionária da mesma. “A Igreja pode testemunhar que a Ação Católica abriu novas perspectivas no campo da responsabilidade do leigo na evangelização. Muitos evangelizados e formados pela Ação Católica – continuou o Papa – levaram a verdade, a profundidade e o Evangelho a áreas civis, muitas vezes fechadas à fé. Os santos e beatos leigos da Ação Católica são uma riqueza para a Igreja. São ‘os santos da porta ao lado’ de tantas comunidades”. “E a Ação Católica – explicou ainda o Pontífice – tem suas origens no próprio coração da Igreja Católica. Não tem um fundador ou carisma particular. Seu objetivo é o da própria Igreja: a evangelização. A Ação Católica não assume um ou outro campo particular de apostolado, mas o propósito da Igreja: a proclamação do Evangelho, a todas as pessoas e a todos os ambientes. Portanto, o ‘carisma próprio’ é não ter nada de próprio, mas estar disponível para todas as necessidades da Igreja em todos os lugares”.

Desafio e convite

“Como Fórum – escreveu ainda Francisco – vocês tem uma missão global ao completar trinta anos que é um desafio e um convite. Desafio para descobrir cada vez mais e de maneira mais forte para onde vai a vida e a história de nossos povos, sem preconceitos, sem medos, sem classificações e sem nos sentirmos reguladores da fé de ninguém. Um convite para estar presente, onde seus interesses, suas preocupações, suas feridas mais profundas e suas maiores ansiedades estão presentes.  Sabemos que não há maior pobreza do que não ter Deus, ou seja, viver sem a fé que dá sentido à vida, sem a esperança que nos dá força para trabalhar, sem nos sentirmos amados por alguém que não desilude. Este é o lugar e o povo onde a Ação Católica deve realizar sua missão”.

Contra a indiferença

Francisco chamou a atenção de todos para a questão da globalização da indiferença, sugerindo “a construção de pontes e criar comunhão que é o chamado profundo de Deus. A Igreja é Comunhão para a missão. A comunhão não é uma ideia, é uma realização e a missão não é apenas mais uma atividade, é a essência da vida eclesial. Isto supõe, para a Ação Católica em comunhão com a pastoral diocesana e seus pastores, uma formação que se experimenta em chave missionária. A Ação Católica não deve formar o futuro cristão, mas deve e precisa acompanhar o processo de fé do cristão de hoje, de acordo com as características da etapa da vida em que ele se encontra”.

Por fim o Santo Padre escreveu que gostaria de pedir a todos ainda três coisas:

Que o Fórum sinta de modo profundo a urgência de trabalhar pela fraternidade e amizade social como meio de reconstruir um mundo ferido.

Que semeiem no coração de todos essa autêntica espiritualidade cristã a que está enraizada no desejo de santidade e este é um caminho que começa nas bem-aventuranças e se realiza a partir de Mateus 25; amando e trabalhando por nossos irmãos e irmãs mais sofredores.

Que o espírito que anima todos os seus projetos e trabalhos seja o de ser uma ‘Igreja em saída’ que vive a doce e reconfortante alegria de evangelizar; e que isso seja notado“.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural: