Busquemos ter sempre serenidade e sobriedade em nossa vida

“Tomai cuidado para que vossos corações não fiquem insensíveis por causa da gula, da embriaguez e das preocupações da vida, e esse dia não caia de repente sobre vós” (Lucas 21,34).
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Muitas pessoas estão se surpreendendo com a morte. Não é que é para todo mundo morrer de uma hora para outra, e que é para acharmos normal. Não! Precisamos entender que a morte é nossa companheira de vida, e ela, um dia, virá para todos nós. É uma realidade sobre a qual não podemos nos enganar nem nos iludir. Precisamos estar preparados para ela! Não precisamos pensar nela todos os dias, mas vivermos bem cada dia é a maneira de vivermos bem a nossa vida.

Acontece que vivemos a era de uma geração de pessoas iludidas, ludibriadas pelo tempo presente e pelas coisas todas que o mundo nos oferece. É por isso que somos surpreendidos, porque o dia que a morte chega, ela acaba sendo uma armadilha, como nos diz a Palavra.

Precisamos buscar a serenidade e a sobriedade para não perdermos a direção da vida

A Palavra de Deus quer chamar a atenção para três coisas que, inclusive, iludem a nossa geração. “Cuidado para não ficarem insensíveis”. A insensibilidade da alma, do espírito, do coração, da mente e da vontade. A primeira coisa: cuidado com a gula.

A indústria alimentar é a mais poderosa que existe, pois funciona 24 horas, ela serve na sua casa, ela dá uma possibilidade de opções… E se deixar, a pessoa come o dia inteiro! Não estou aqui para falar de dieta ou de restrição alimentar, pois cada um tem que se cuidar; mas cuidado, porque, muitas vezes, a gula toma conta de nós, comemos mais do que devíamos, nos excedemos, tornamo-nos cheios por causa dela. Você sabe que, quando a barriga está pesada, quando nos tornamos pesados, quando nos excedemos no comer, o cérebro nem funciona direito!

A nossa geração é marcada pelo excesso no beber, o alcoolismo é uma das realidades mais duras e cruéis, mas não precisa ser alcoólatra. Para muitas pessoas, o domingo é começar a beber cedo e só terminar no final do dia; há outros que não conseguem ficar um dia sequer sem ingerir uma bebida alcoólica, nem se percebem e ainda são levados por aquele lema do engano que diz: “A hora que eu quiser parar, eu paro”, e muitos querem parar e não param, são mesmo levados.

Você pega, muitas vezes, as fotografias de status de jovens, de pessoas adultas, é sempre com uma garrafa de algo alcoólico na mão. Cuidado com a embriaguez, é um grande sinal da insensatez! E outros, ou a maioria de nós, somos tomados pelas preocupações da vida, preocupações exageradas, preocupações financeiras, preocupações com isso e com aquilo, e a vida gira em torno de preocupações. Perdemos o foco do essencial, e nem a graça de Deus pode nos dirigir, porque somos tomados por essa embriaguez dos tempos. Precisamos buscar a serenidade e a sobriedade para não perdermos a direção da vida.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

 

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural: