Quem é Jesus?

A primeira preocupação do cristão deve consistir em viver a vida de Cristo, em incorporar-se a Ele, como os ramos à videira
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Estamos celebrando o XXIV domingo do tempo comum. A liturgia nos apresenta por meio do Evangelho que Jesus está a caminho de Jerusalém. E enquanto caminhava perguntou, em tom familiar, aos discípulos que O acompanhavam: “Quem dizem os homens que eu sou?” (Mc 8,27-35). E eles, com simplicidade, contaram-lhe o que lhes chegava aos ouvidos: “Alguns dizem que tu és João Batista; outros que és Elias… Então Ele voltou a interrogá-los: “E vós, quem dizeis que eu sou? ”. Eis a grande pergunta de sempre e que cada um de nós deverá sempre responder atualizando sua experiência de encontro como Senhor.

Na primeira leitura – Is 50,5-9a – temos o episódio do Servo Sofredor. O profeta Isaías descreveu, antecipadamente, o sofrimento da Paixão e Morte de Jesus; e sua descrição foi, inclusive, confirmada pelas marcas deixadas gravadas no célebre “Sudário de Turim! ”. Os primeiros cristãos o identificaram como prefiguração de Jesus, o Messias crucificado por amor e fidelidade aos propósitos do Pai.

Na segunda leitura – Tg 2,14-18 – o Apóstolo, São Tiago, orienta-nos a respeito da verdadeira fé que precisa ser acompanhada de obras para ser verdadeira! Para consolar um faminto não é suficiente uma palavra de carinho… é necessário saciar sua fome de pão!

O profeta Isaias parece um jornalista que descreve a Paixão de Jesus como quem assistiu o sacrifício redentor do próprio Deus! Nós fomos resgatados pelo Sangue do Filho de Deus! Ele morreu na cruz, suportando dores infinitas. Nossa prática religiosa deve ser de verdade e não de apenas palavras. Nossa fé em Jesus deve manifestar-se mediante obras concretas (obras)! Pois, São Tiago afirma: “Se a fé não se traduz em obras, por si só está morta!” A fé é o amor que devemos ter por Jesus, amor de verdade; Ele nos amou de verdade e nós de igual maneira devemos amar de verdade e de sangue, dar nossa vida por Ele!

No Evangelho – Mc 8,27-35 – não é suficiente confessar a divindade de Jesus; é necessário segui-lo no caminho da Cruz. A confissão da divindade de Jesus exige nossa conversão, precisamos viver como Jesus cumprindo a vontade do Pai para a redenção do mundo.

Jesus explicava aos discípulos que a sua Missão messiânica passa pela Cruz. Pedro reage e tenta afastar Jesus do Plano do Pai. Jesus lhe responde: “Vai para longe de mim, satanás! Porém, antes Pedro dissera: “Tu és o Messias”. Os Apóstolos, pela boca de Pedro, deram a Jesus a resposta certa depois de dois anos de convivência e trato. Nós, como eles, “temos de percorrer um caminho de escuta atenta, diligente. Temos de ir à escola dos primeiros discípulos, que são as suas testemunhas e os nossos mestres, e ao mesmo tempo temos de receber a experiência e o testemunho nada menos que de vinte séculos de história sulcados pela pergunta do Mestre e enriquecidos pelo imenso coro das respostas dos fiéis de todos os tempos e lugares” (São João Paulo II).

A primeira preocupação do cristão deve, pois, consistir em viver a vida de Cristo, em incorporar-se a Ele, como os ramos à videira. O ramo depende da união com a videira, que lhe envia a seiva vivificante; separado dela, seca e é lançado ao fogo. Diz Jesus: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga”.

Quando Jesus disse “se alguém quer vir após Mim…”, tinha presente que o cumprimento da Sua missão O levaria à morte de cruz; por isso fala claramente da Sua Paixão. Mas também a vida cristã, vivida como se deve viver, com todas as suas exigências, é uma cruz que se deve levar em seguimento de Cristo.

A Cruz é sinal do cristão. Está presente em toda parte, com muitos nomes. Que o Senhor nos conceda a graça de também segui-Lo na Cruz; de perder a vida por causa de Cristo para salvá-la. Deus criou o ser humano à sua imagem e semelhança, criou-o livre, mas ele sucumbiu à tentação da serpente, pecou e perdeu toda a graça divina com que estava ornado desde a criação! Mas Deus não se deixou vencer pela serpente: planejou seu resgate mediante a cruz! Nós fomos resgatados pela Cruz de Jesus, que iremos celebrar no próximo dia 14! O Sangue divino, derramado na cruz e na vida sofrida de Jesus. Este é o mistério incompreensível do amor divino: Somos resgatados pelo Sangue do Filho de Deus.

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

finados3
banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".