O que ter filhos me ensinou sobre o Advento

O Advento pode nos transformar e moldar nosso futuro se formos capazes de capturar do que realmente se trata
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

OAdvento chegou e ainda não estou preparado. Há semanas, as leituras na missa estão ficando apocalípticas. Temos lido sobre o fim dos tempos, céus estremecendo e montanhas se derretendo como velas. Esses avisos do Advento sobre o fim do mundo e o colapso do tempo e do espaço realmente nos colocam no caminho para o Natal.

São em momentos como esse que me lembro de como a Igreja Católica realmente é um pato estranho. Todos os outros estão ocupados com decoração e enfeites, pulverizando neve falsa em árvores de Natal e ligando seus Papais Noéis dançantes, enquanto isso estamos aqui em uma capela escura meditando sobre a Segunda Vinda e o universo pegando fogo.

É bom, no entanto — a desaceleração, a espera, a paciência. Na década desde que me tornei católico, essa abordagem diferente revolucionou minha experiência de Natal. Eu costumava me cansar de todo o espetacularismo muito rapidamente e, quando o dia de Natal realmente chegava, mal podia esperar para que acabasse.

Agora, a celebração do Natal traz para mim muito mais profundidade e significado, e quando o milagre da natividade finalmente chega, parece que explode sobre nós em glória e encanto.

Passado e futuro

Há uma maneira pela qual o Advento, direcionando nosso olhar para o futuro, nos prepara para olhar para o passado e achá-lo muito mais significativo. O nascimento de Cristo não é mais um evento histórico para mim, é a vida real. Seu nascimento e sua infância estão intimamente ligados à sua morte, à redenção e, portanto, à minha vida presente e ao meu futuro.

A mudança também veio sobre mim com o advento da minha própria paternidade. Nosso primeiro filho nasceu há quase 15 anos. Um dos maiores presentes que ele, e todos os nossos filhos, por sua vez, me deram é a oportunidade de mergulhar de volta no passado.

Ver o mundo através de seus olhos me deixa animado até mesmo para as aventuras mais simples – andar de bicicleta, ir à sorveteria, jogar pedras em um lago. Sua interação com a Missa e os santos me abriu um mundo totalmente novo, enquanto revivo as ideias que tinha sobre minha fé quando tinha a idade deles, o quão impressionado fiquei com o cabelo comprido de Sansão e a personalidade do rei Davi.

Por um tempo, quando jovem adulto, mas ainda não pai, confesso que fiquei cansado de toda a pompa. Eu estava procurando desesperadamente o que defini como experiências sofisticadas e cultas, maravilhosas à sua maneira, mas perdi a arte de ver o mundo com olhos inocentes. Por causa disso, dia após dia pode passar sem nem um único momento de admiração ou gratidão. Eu tinha coisas importantes a realizar e experiências a ganhar – ou assim pensei – e deixei a infância para trás.

Filhos

De repente, após ser pai, o encanto voltou. Partidas de luta livre no tapete, bolas quicando, desenhos espalhados pela casa e várias crianças chutando minhas canelas. Rapidamente se tornou evidente para mim que meu futuro, se fosse para ser feliz, dependia da minha capacidade de recapturar o passado. Não que devamos regredir para a infância ou nos recusar a amadurecer. Mas a nossa busca pelo progresso não pode nos levar a abandonar pedaços importantes de nós mesmos.

Podemos manter essa inocência e admiração da infância. Ser pai me devolveu a isso, mas desta segunda vez, sou uma pessoa diferente. Eu tenho mais gratidão por isso. Agradeço cada momento.

O Advento é como ter filhos. Ele retorna ao passado para nos dar esperança para o futuro. O Natal não é só memória, nostalgia e sentimentalismo, é um milagre vivo e ativo. Isso nos muda agora, no momento presente. E molda o futuro.

Observando meus filhos brincarem e relembrando quando eu tinha a idade deles, descubro dentro de mim uma grande expectativa pelo futuro. Mal posso esperar para continuar no caminho da vida com essas pessoas que tanto amo. Em última análise, equilibrado ali mesmo entre passado e futuro é o momento presente, que pretendo viver ao máximo.

Aleteia

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural: