Saciemos a fome dos necessitados

“Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho” (Mateus 15,32).
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Jesus tem cuidado de nós, Ele se preocupa conosco, Ele se preocupa com a nossa humanidade, com os nossos sofrimentos, com as nossas dores, com as nossas enfermidades, com a nossa fome; e quando digo “conosco”, é porque Deus se preocupa com cada um de nós. E assim como Jesus cuidou dos doentes que levaram até Ele – os cegos, os coxos, os aleijados, os mudos e todos os doentes –, Ele olhou para a multidão que ouvia a Sua Palavra e levou às multidões o Pão da Palavra, mas Jesus se preocupou com a humanidade que padecia, que estava com fome e disse: “Não posso mandá-los embora com fome”. 

Precisamos cuidar uns dos outros, não podemos ser indiferentes a nenhum sofrimento, a nenhuma dor, a nenhuma enfermidade, não podemos ser indiferentes a ninguém que passa fome, porque assim não estamos sendo verdadeiramente seguidores de Cristo Jesus. Há pessoas que se aproximam de Jesus apenas para serem saciadas, para cuidarem das suas necessidades e das suas carências, e Jesus cuida, abençoa, liberta e restaura.

Deus faz milagres com tudo o que tenho porque abro meu coração para compartilhar com a fome e com a necessidade do outro

Jesus cuida de nós para que cuidemos uns dos outros, porque é um grande contratestemunho termos o que temos, termos a saúde que temos, as graças que temos e, muitas vezes, até conforto material, mas ignorarmos os sofrimentos de tantas pessoas. Alguns até reconhecem: “Porque Deus me deu isso”, “Porque Deus me deu aquilo”. Se você tem, você já reparou nos que não têm? E pior ainda é quem tem, tem saúde, tem isso e aquilo, mas ainda reclama do que tem, porque sempre quer ter mais. Por isso, da nossa conversão, nosso trabalho de conversão interior, precisamos ter alguns certames, e o primeiro deles é não reclamarmos da vida, não a transformarmos num mar de lamúrias e reclamações, mas reconhecermos a graça de Deus que está em nós, sermos agradecidos, louvarmos, bendizermos a Deus.

Quando Jesus pegou os sete pães e os peixinhos que tinham, Ele deu graças, Ele agradeceu. Não sei se você tem apenas alguns peixinhos, não sei se você tem carne na geladeira, não sei dizer quantos pães você tem na sua casa, não sei se você ensina os seus a agradecer. Vejo meninos, às vezes, jogando pão fora, comendo um pedaço de pão e desprezando o resto. O que menos vemos em nossas famílias é agradecimento, é levantar as mãos para o céu e dizer: “Obrigado, Senhor!”. Quem agradece partilha e compartilha o que tem, quem não agradece está sempre sendo mal-agradecido e reclamando até do que tem.

Precisamos nos converter para cuidar, precisamos nos converter para repartir o que temos; e não importa o que você tem, pode ser que seja apenas sete pães ou menos, alguns peixinhos, Jesus fez o milagre da partilha. Quando sou agradecido, Deus faz milagres com tudo o que tenho, porque abro meu coração para compartilhar com a dor, com a fome, com o sofrimento e a necessidade do outro.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

finados3
banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".