Papa: que o Natal leve paz à Ucrânia, as armas não são o caminho

Ao final da oração do Angelus, Francisco se deteve sobre os cenários que preocupam o mundo. Entre outros, expressou sua proximidade às vítimas dos tornados nos Estados Unidos, além da mensagem à Caritas Internationalis que celebra o 70º aniversário
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Ouça e compartilhe!

Numa ensolarada Praça São Pedro, colorida por bandeiras de tantos países – entre as quais se sobressaíam as do México – e faixas de saudações ao Papa, Francisco dirigiu seu primeiro pensamento, após rezar o Angelus, à difícil situação de tensão na Ucrânia, invocando a paz e relançando o apelo ao diálogo como forma de resolver conflitos:

Desejo assegurar as minhas orações pela querida Ucrânia, por todas as suas Igrejas e comunidades religiosas e por todo o seu povo, para que as tensões à sua volta sejam resolvidas por meio de um diálogo internacional sério e não com armas. Entristece-me tanto a estatística que eu li, a última. Neste ano foram produzidas mais armas do que no ano passado. As armas não são o caminho. Que este Natal do Senhor leve paz à Ucrânia!

Os acontecimentos na fronteira com a Rússia preocupam também a comunidade internacional. No G7 em andamento em Liverpool, na Inglaterra, que reúne ministros do exterior, falou-se em “enormes consequências” em caso de ameaça militar da Rússia. Há dias, Moscou realiza intensas atividades de tropas na fronteira com Kiev.

A oração pelos Estados Unidos

No coração de Francisco também a dor por quem perdeu parentes e conhecidos devido a uma série de tornados que atingiram os Estados Unidos:

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural: