Papa Sisto V, um pontificado que ficou marcado

Há 500 anos, nascia Felice Peretti, o futuro Papa Sisto V. Em apenas cinco anos de pontificado, ele reformou a cúria e deu uma nova configuração urbana à cidade de Roma. Para comemorar Sisito V foram organizadas numerosas iniciativas. No dia 13 de dezembro a exposição "Sisto V e Pericle Fazzini, glória e memória".
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O Pontificado de Sisto V foi muito breve, mas teve um efeito profundo na história da Igreja e na organização da Cidade Eterna. Em apenas cinco anos, eleito em 24 de abril de 1585, marcou de modo significativo as instituições eclesiásticas, as relações políticas internacionais, a reorganização social e econômica do Estado Pontifício, em âmbito litúrgico e no planejamento urbano.

Nascido exatamente há 500 anos, em 13 de dezembro de 1521, em Grottammare, Felice Peretti é há meses o foco de uma série de iniciativas comemorativas – jornadas de estudo, concertos, exposições, publicações, vídeos e até mesmo sua história em tiras – que, tanto dentro como fora da região onde nasceu, têm como objetivo destacar o valor ainda tangível de muitas de suas intervenções.

O Papa “teimoso” e Roma

Em Roma, Sisto V, era chamado de o “Papa teimoso” apelido dado por Giuseppe Gioachino Belli que com a ajuda do arquiteto Domenico Fontana, completou a cúpula de São Pedro, demoliu e reconstruiu o Palácio Lateranense, e ergueu quatro obeliscos para unir simbolicamente os quatro cantos da cidade: a Praça São Pedro, a Praça do Esquilino, a Praça São João de Latrão e a Praça del Popolo.

A exposição sobre o Papa Sisto V

As reformas e a luta contra o banditismo

O Papa Sisto V também foi responsável pela expansão da Biblioteca do Vaticano com a construção do Salão Sistino e da Loggia das Bênçãos na Basílica de São João de Latrão. A reorganização urbana, central ao programa do papado, tinha um duplo valor político e pastoral nas intenções do Pontífice: o objetivo era valorizar ao máximo o centro do cristianismo. Muito jovem começou a fazer parte dos Frades Menores Conventuais, um mês após sua eleição para o Trono Papal, Sisto V proclamou o Jubileu Extraordinário. Depois disso reorganizou com determinação a Cúria Romana, fixando o número máximo de cardeais em 70, número que nunca foi excedido até João XXIII. Ele lutou resolutamente contra o banditismo da época e editou uma nova edição da Vulgata.

A Região de Marcas e Sisto V

Sisto V tinha uma forte ligação com sua região natal, no centro da Itália, as Marcas. As cidades de Grottammare, Montalto e Fermo ainda preservam sinais visíveis da presença do Pontífice em seus edifícios e obras, em um surpreendente caminho de arte, fé e engenhosidade entre os vilarejos, as paisagens de colina e cidadezinhas litorâneas.

Cristo Ressuscitado da Sala Paulo VI, realizado por Pericle Fazzini

Sisto V e Pericle Fazzini

Por ocasião da data de nascimento, 13 de dezembro foi aberta uma exposição “Sisto V e Pericle Fazzini, glória e memória” e ficará aberta até junho de 2022 no Palácio Paradisi em Montalto delle Marche. A exposição conta a história do Papa do século XVI e de um dos maiores escultores contemporâneos da sua cidade natal. Foi precisamente em Montalto que Fazzini criou o monumento dedicado a Sisto V: “A última obra do grande artista Fazzini, – escreve o historiador de arte Vittorio Sgarbi – queria representar mais do que a obra, a alma do Papa, portanto, pertence a um momento e a uma época, estamos falando de 1986, quando a grande o escultor Fazzini estava em seu auge”.

O monumento dedicado a Sisto V realizado pelo escultor Pericle Fazzini

O Relicário

Na exposição há uma seção mais ligada à Sisto V: pela primeira vez desde o terremoto de 2016-17 estão expostas partes significativas das coleções do Polo Museale Città di Sisto V e do Museu Sistino Vescovile de Montalto. Moedas, bustos, pratos, escudos e medalhas cunhadas pela casa da moeda que Sisto V estabeleceu em Montalto durante seu pontificado e os visitantes poderão ver junto com o retrato mais famoso do Pontífice, suas medalhas, as suntuosas vestes de Magistrado, perfeitamente conservadas. A exposição é coroada também pelo Relicário de Sisto V doado pelo Pontífice à cidade de Montalto, uma obra-prima da arte ourivesaria com figuras feitas em esmalte, provavelmente trabalho de um ourives parisiense que trabalhava para a casa real no final do século XIV e início do XV.

Paolo Ondarza – Vatican News

Marcio Brito
Marcio Brito

DaQui Agência Digital

Apoio Cultural:

finados3
banner-paroquia-nossa-senhora-gracas
encontro-matrimonio

Campanha da Fraternidade 2021

CRISTO É A PAZ: DO QUE ERA DIVIDIDO, FEZ UM unidade".